CompararComparando ...

Ofensiva híbrida Ford com novos Puma, Kuga e Explorer

Artigo
Ofensiva híbrida Ford com novos Puma, Kuga e Explorer

Depois de anunciar o lançamento, em 2020, das versões mild hybrid do Fiesta e do Focus (saiba tudo aqui), a Ford dá, agora, a conhecer as versões electrificadas do Kuga e do Explorer, e também de um novo modelo cuja designação há muito não constava da oferta da marca da oval azul: o Puma. Proposta que, agora, e acompanhando a tendência aparentemente inevitável do mercado, também aposta num formato crossover de inspiração SUV, como seria praticamente inevitável.

Através da primeira imagem libertada pela marca americana do novo Puma, é possível perceber as dimensões compactas de um modelo que promete exibir um estilo marcante, marcado pelos faróis assentes numa secção com formato de asa; pelas formas dinâmicas, atraentes e aerodinamicamente eficientes; e por uma altura ao solo de molde a permitir-lhe aventurar-se por outros caminhos que não o asfalto. Além de um espaço interior generoso, o Puma do século XXI também se destacará pela bagageira, seja pela sua referencial capacidade de 456 litros, seja por uma solução de arrumação anunciada como inovador, capaz de garantir um compartimento de bagagem versátil e profundo e, assim, de acomodar facilmente dois sacos de golf em posição vertical.

Em termos de motorizações, a única informação, para já, avançada pela Ford é que a oferta do novo Puma neste particular assentará, em boa parte, na tecnologia EcoBoost Hybrid, que tem por base o motor de três cilindros 1.0 EcoBoost, e que aqui será disponibilizado em versões com até 155 cv de potência. Determinante, aqui, o motor de arranque/gerador por correia integrado (BISG), destinado a recuperação e armazenar, um pack de baterias de iões de lítio de 48 Volt, arrefecidas a ar, a energia recuperada na desaceleração e na travagem.

Não menos importante, a revelação da nova geração do Kuga, a terceira desde o lançamento, em 2008, da geração original daquele que é, hoje, o SUV da Ford mais vendido na Europa, e o seu terceiro modelo mais popular no Velho Continente. Primeiro SUV da marca desenvolvido com base na nova plataforma global C2, face ao seu antecessor, beneficia, desde logo, de uma melhor aerodinâmica, de uma redução do peso de até 90 kg, de um aumento de 10% da rigidez torsional e de uma segurança acrescida.

Mais comprido 89 mm, mais largo 44 mm e mais baixo 20 mm do que o anterior, mas contando com uma distância entre eixos ampliada em 20 mm, o novo Kuga, além de ostentar linhas mais elegantes e exclusivas, também conta com diferentes proporções exteriores, que acarretam benefícios importantes em termos de habitabilidade. Neste capítulo, menção, ainda, para o banco traseiro com regulação longitudinal, que permite fazer variar o espaço pra pernas atrás e a capacidade da mala em função das necessidades do momento, e pode, igualmente, dispor de aquecimento nos seus lugares laterais.

Tecnologia é o que também promete não faltar a bordo, com o novo Kuga a oferecer elementos como o novo painel de instrumentos por LCD com 12,3”; sistema de infoentretenimento Sync com ecrã táctil central de 8”; sistema de som B&O; carregamento por indução para smartphones; modem integrado (funciona como um hotspot móvel e pode ter ligados até 10 dispositivos em simultâneo). Por seu turno, a App móvel Ford Pass é capaz de, remotamente, indicar a localização do veículo; informar acerca do estado do veículo (nível de combustível, estado do alarme, vida útil do óleo, entre outras funcionalidades); trancar/destrancar as portas; e até, mesmo, dar o arranque ao motor (apenas nas versões com caixa automática).

Para ajudar o condutor na sua tarefa, são propostas soluções como o cruise control adaptativo com função stop&go; o sistema de leitura de sinais de trânsito; o assistente à manutenção na faixa de rodagem com assistente de ângulo morto (uma estreia na Ford); a travagem autónoma de emergência com alerta de colisão e detecção de peões e ciclistas, com uma nova funcionalidade de intersecção; ou o sistema de estacionamento activo. Este é, ainda, o primeiro SUV da Ford na europa a dispor de head-up display, e, pela primeira vez, dispõe de selector dos modos de condução, com as opções Normal, Sport, Eco, Slippery e Deep Snow/Sand.

Outro dos trunfos essenciais do novo Kuga é assumir-se como o Ford mais electrificado de sempre, propondo não só convencionais motores a gasolina e a gasóleo, como motorizações híbridas de todo o tipo: plug-in, híbrida convencional e mild-hybrid.  No primeiro caso, combinam-se o quatro cilindro a gasolina de 2,5 litros e ciclo Atkinson, um motor eléctrico, um gerador e uma bateria de iões de lítio com 14,4 kWh de capacidade, para uma potência máxima combinada de 225 cv.

A autonomia eléctrica promete ser superior a 50 km, os consumos e emissões de CO2 estimados são de 1,2 l/100 km e 29 g/km, respectivamente, sendo anunciado um tempo de cerca de 4 horas para recarregar totalmente a bateria numa tomada de corrente doméstica de 230 Volt. O Kuga Plug In Hybrid conta, igualmente, com os modos de funcionamento EV Auto, EV Now, EV Later e EV Charge – o primeiro é automaticamente activado quando se atinge o mínimo de carga da bateria, mas, ainda assim, o motor eléctrico continua a assistir o propulsor a gasolina.

Já o Kuga EcoBlue Hybrid conjuga o motor turbodiesel 2.0 EcoBlue de 150 cv com o sistema integrado de motor de arranque /gerador comandado por correia (BISG) e um pack de baterias de de iões de lítio de 48 Volt refrigeradas a ar. O sistema BISG também funciona como motor, assistindo o motor térmico, o que ajuda a explicar os valores previstos para consumo e emissões de CO2: 5,0 l/100 km e 132 g/km.

Quanto ao Kuga Hybrid, recorre ao motor 2.5 a gasolina de Atkinson, a um motor eléctrico, a um gerador, a uma bateria de iões de lítio e a uma transmissão automática. Chega em meados de 2020, com tracção dianteira ou integral, sendo aqui previstos consumos e emissões e de CO2 de 5,6 l/100 km e e 130 g/km.

Por fim, no que diz respeito às versões do Kuga equipadas com convencionais motores de combustão, e entre os Diesel, serão propostos o 2.0 EcoBlue de 190 cv, com tracção integral inteligente, um consumo desde 5,7 l/100 km e emissões de CO2 desde 150 g/km; e o 1.5 EcoBlue de 120 cv, em que os consumos vão desde 4,8 l/100 km e as emissões de CO2 desde 127 g/km. Já as variantes a gasolina montam sob o capot o 1.5 EcoBoost, nas suas derivações de 120 cv e 150 cv, e consumos e eissões de CO2 desde 6,5 l/100 km e 149 g/km – sendo de recordar que esta unidade turbocomprimida, com injecção directa, distribuição variável sobre a admissão e escape e filtro de partículas, é o primeiro três cilindros do mercado a dispor de um sistema  de desactivação de cilindros.

Resta referir que o novo Kuga proporá a nova caixa automática de oito velocidades da Ford com os motores 1.5 EcoBoost de 120 cv e 2.0 EcoBlue de 190 cv. E que estarão disponíveis, como habitualmente, os níveis de acabamento Titanium, ST‑Line e Vignale.

A outra grande novidade da Ford agora apresentada é a sexta geração do Explorer, estreada nos EUA inicio do ano, e que estará à venda na Europa no final de 2019, numa exclusiva versão exclusiva híbrida plug-in, disponível com dois níveis de acabamento: ST-Line e Platinum. Em ambas, o derivação europeia do SUV mais vendido de sempre nos EUA combina o motor 3.0-V6 EcoBoost a gasolina de 350 cv, um motor eléctrico 100 cv e um gerador, para uma rendimento combinado de 450 cv e 840 Nm. A bateria de iões lítio com 13,1 kWh de capacidade está apta a garantir até 40 km de autonomia no modo exclusivamente eléctrico, os consumos e emissões de CO2 anunciados são de 3,4 l/100 km  e 78 g/km, podendo o condutor optar entre os modos de funcionamento EV Auto, EV Now, EV Later e EV Charge.

No novo Explorer, a transmissão está a cargo da caixa automática de dez velocidades com comando rotativo da Ford e de um sistema de tracção integral inteligente. Ao condutor são oferecidos os modos de condução Normal, Sport, Trail, Slippery, Tow/Haul, Eco, Deep Snow e Sand, e ainda o controlo electrónico de descidas HDC.

Com mais de cinco metros de comprimento, dois metros de largura, e quase dois metros de altura, o Explorer anuncia-se muito espaçoso, luxuoso e focado no conforto. No habitáculo, começam por destacar-se os sete lugares, e o anúncio de uma grande facilidade de acesso à terceira fila, graças aos bancos Easy Fold instlados na segunda e terceira filas (com elevação eléctrica nesta última); a mala com uma capacidade máxima de 2274 litros; e os 123 litros de espaços de arrumação disponíveis no interior.

A bordo de todas as versões encontram-se, ainda, o sistema de infoentretenimento com ecrã táctil de 10,1”, montado em posição central vertical, e o painel de instrumentos de 12,3”. Todas as versões do Explorer contarão, de igual modo, com bancos dianteiros aquecidos, ventilados e com ajuste eléctrico de dez vias; bancos da segunda fila aquecidos; volate aquecido; carregamento por indução para smartphones; sistema de som B&O (com 1000 Watt e 14 colunas na versão Platinum; e com 800 Watt e 12 colunas na versão ST-Line); e jantes de liga leve de 20” (com acabamento em preto maquinado nas versões ST-Line, e com acabamento maquinado escurecido mate nas versões Platinum).

Qual é a sua reação?
Excelente
100%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    2 + 15 =

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.