CompararComparando ...

VW Passat Variant 2.0 TDI 150 cv Highline

Artigo
VW Passat Variant 2.0 TDI 150 cv Highline

Visão geral
Marca:

VW

Modelo:

Passat Variant

Ano lançamento:

2015

Segmento:

Familiares médios

Pot. máx. (cv/rpm):

150/3500-4000

Vel. máx. (km/h):

218

0-100 km/h (s):

8,9

CO2 (g/km):

107

PVP (€):

41 211/42 977

Gostámos

Habitabilidade, Capacidade da mala, Qualidade geral, Comportamemto, Consumos

A rever

Estética discreta e pouco inovadora, Posicionamento comercial

Nosso Rating
Rating Leitor
Para avaliar, registe-se ou inicie sessão
Qualidade geral
9.0
Interior
9.0
Segurança
8.0
Motor e prestações
7.0
Desempenho dinâmico
8.0
Consumos e emissões
9.0
Conforto
8.0
Equipamento
8.0
Garantias
8.0
Preço
6.0
Se tem pressa...

A nova VW Passat Variant é a melhor carrinha do seu segmento. E a versão 2.0 TDI Highline de 150 cv uma das mais equilibradas da gama, capaz de enfrentar, sem complexos, as chamadas propostas premium da classe. Pena que a estética condicione a eficácia de tal confronto…

8.0
Nosso Rating
Rating Leitor
You have rated this

 

Se, nos últimos tempos, uma das tendências do mercado automóvel (em particular na Europa) tem sido as chamadas marcas de prestígio passarem a disputar um espaço normalmente ocupado pelos construtores ditos generalistas (e, em boa parte dos casos, com assinalável êxito, adiante-se…), também há propostas que procuram executar o movimento oposto. Sendo a mais recente geração do VW Passat, porventura, o melhor exemplo disso mesmo, como bem o comprova a Passat Variant 2.0 TDI 150 cv aqui em análise.

Em termos estritamente racionais, pode, até, afirmar-se que a carrinha germânica só perde de forma evidente para essa concorrência a nível estético – o que, contudo, está longe de ser de somenos. De facto, não obstante assentar sobre uma nova plataforma (a célebre MQB modular, que serve diversos modelos do Grupo VW), a sua imagem exterior é pouco mais do que banal, assente em linhas tipicamente VW, e tipicamente Passat, que lhe não permitem destacar-se, nem dos modelos premium, nem das suas gerações anteriores.

Temos, assim, uma carrinha de dimensões generosas, que lhe conferem alguma imponência, senhora de uma aparência sóbria e elegante, mas pouco mais do que banal, que merecia uma maior distinção estilística. E que, por isso, não consegue, neste particular, ilustrar, quer a sua superioridade, enquanto produto, face aos seus rivais generalistas, quer a sua proximidade face às propostas de prestígio.

O design pouco inspirado, demasiado na linha do das suas antecessoras, será uma das maiores condicionantes para que a nova VW Passat Variant possa rivalizar, de facto, com os modelos premium da sua categoria

O design pouco inspirado, demasiado na linha do das suas antecessoras, será uma das maiores condicionantes para que a nova VW Passat Variant possa rivalizar, de facto, com os modelos premium da sua categoria

É mais ou menos o que acontece no interior, por via da sua decoração excessivamente austera e simplista, mas aqui com a vantagem de a superior qualidade dos materiais, da montagem e dos acabamentos contribuir decisivamente para o bom ambiente a bordo. Começando a perceber-se a distância que separa a nova Passat Variant dos modelos generalistas, e o quão à vontade está na comparação com os modelos premium desta categoria.

Domínio em que esta carrinha não dá hipóteses a qualquer concorrente é o da habitabilidade e capacidade da bagageira. O espaço interior é por demais amplo, com os maiores elogios a irem para a traseira, que quase parece um salão de festas, sendo o espaço para pernas aí disponível capaz de ombrear (quando não fazer corar de inveja…) alguns modelos do segmento superior. Encómios merecem, ainda, o correcto posto de condução e os bancos com multiregulações (eléctricas para o apoio lombar e inclinação das costas) incluídos no nível de equipamento Highline.

Quanto à mala, os 650 litros que oferece com os cinco lugares montados, ampliáveis até um máximo de 1780 litros mediante o rebatimento do banco traseiro, são um argumento que falará por si. Esta é, sem dúvida, uma carrinha em que a versatilidade de utilização não é palavra vã (referência para as alavancas que permitem rebater o banco traseiro a partir da própria bagageira), e que não se limita a oferecer apenas uma aparência mais dinâmica e jovial do que a berlina de que deriva.

A bagageira é, simplesmente, enorme, não dando qualquer hipótese à concorrência, seja ela qual for

A bagageira é, simplesmente, enorme, não dando qualquer hipótese à concorrência, seja ela qual for

Uma vez em marcha, a Passat Variant 2.0 TDI de 150 cv volta a exibir o argumentário já conhecido de outras versões da nova gama Passat. O motor, sempre muito disponível, não será tão poderoso quanto as suas versões mais potentes, mas não deixa de garantir prestações de bom nível, e oferecendo ainda um funcionamento suave e mais linear e progressivo do que as suas derivações de 190 cv e 240 cv. De tal ordem que até pode ser combinado com uma caixa de velocidades de escalonamento propositadamente longo sem condicionar drasticamente o agrado de utilização, e usufruindo, por via disso, de um trunfo de grande peso nos dias que correm: os consumos extremamente comedidos, especialmente em estrada a velocidades estabilizadas, sendo perfeitamente possível registar médias abaixo dos 6,0 l/100 km numa condução convencional, sem grandes sacrifícios, e ficar abaixo dos 9,0 l/100 km quando se adoptam ritmos realmente empenhados.

Criticável, nesta unidade motriz, só mesmo o seu proverbial ruído de funcionamento, mais elevado do que o desejável (em especial em carga e alta regime), que nem o óptimo trabalho levado a cabo no capítulo da insonorização consegue disfarçar por completo. Em compensação, a perda de peso registada pela nova Passat Variant contribui, a par do evoluído châssis, para um comportamento muitíssimo equilibrado, marcado, acima de tudo, por uma condução fácil e deveras agradável. Mesmo com pneus pouco performantes, as reacções são sempre honestas e previsíveis, e o conforto de marcha uma referência, pela eficácia com que a suspensão absorve a esmagadora maioria das irregularidades, mas sem, por isso, deixar de controlar devidamente os movimentos da carroçaria.

Por tudo isto, e voltando ao início, a nova VW Passat Variant só pode ser considerada a melhor carrinha do seu segmento. Sendo tão boa que nem enjeita uma comparação directa com os tais modelos premium sempre tão apetecidos, seja em que domínio for não – excepção feita, reitere-se, à estética. Assim sendo, até os €41 211 pedidos por esta versão 2.0 TDI Highline de 150 cv, que parecem pouco competitivos face às suas rivais generalistas, acabam por ser francamente apelativos quando comparados com o exigido pelas suas concorrentes de prestígio, e mais ainda se quando se tem em conta um equipamento de série que, nessas suas putativas competidoras, custará muito dinheiro a adquirir. Resta que o senso comum interiorize aquilo que a lógica já comprova – mas isso já será trabalho dos departamento de marketing e, quiçá, dos designers…

Dinamicamente, a Passat Variant 2.0 TDi de 150 cv conjuga um óptimo conforto de marcha com um comportamento honesto, e boas prestações com excelentes consumos - tudo contribuindo para uma condução fácil e muito agradável

Dinamicamente, a Passat Variant 2.0 TDi de 150 cv conjuga um óptimo conforto de marcha com um comportamento honesto, e boas prestações com excelentes consumos – tudo contribuindo para uma condução fácil e muito agradável

Airbag para condutor e passageiro (desligável)
Airbags laterais dianteiros
Airbags de cortina
Controlo electrónico de estabilidade
Sistema de detecção da fadiga
Cintos dianteiros com pré-tensores e limitadores de esforço
Fixações Isofix
Assistente aos arranques em subida
Travão de estacionamento eléctrico
Ar condicionado automático trizona com regulação independente traseira
Computador de bordo
Bancos dianteiros com regulação em altura/lombar (electricamente para o condutor)
Bancos dianteiros aquecidos
Bancos em pele+Alcantara
Volante em pele regulável em altura+profundidade
Volante multifunções
Direcção com assistência eléctrica variável
Aplicações em alumínio escovado
Rádio com leitor de CD/mp3+entradas USB/Aux/iPod
Mãos-livres Bluetooth
Vidros eléctricos FR/TR
Chave electrónica
Retrovisores exteriores eléctricos+aquecidos
Retrovisor interior electrocromático
Cruise-control adaptativo+limitador de velocidade
Sensores de estacionamento dianteiros+traseiros
Sensor de luz+chuva
Faróis de nevoeiro
Sistema de monitorização da pressão dos pneus
Molduras das janelas cromadas
Barras de tejadilho cromadas
Rede separadora de carga

Pintura metalizada (€570)
Sistema de navegação Discovery Media (€764)
Vidros escurecidos a 65% (€286)
Retrovisores exteriores rebatíveis electricamente (€146)

Qual é a sua reação?
Excelente
88%
Adoro
0%
Gosto
13%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    5 − 1 =

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.