CompararComparando ...

Ao volante do novo Mercedes Classe A. Em Portugal em Maio

Artigo
Ao volante do novo Mercedes Classe A. Em Portugal em Maio

Começar a descrição de um novo modelo pelo seu historial poderá não será o recurso mais original. Mas fará todo o sentido quando em causa está o automóvel com o qual a Mercedes logrou contrariar o adágio, provando que o que nasce torto, afinal, pode muito bem acabar por endireitar-se. E como!

Apresentado no Sal√£o de Genebra de 1997, o Classe A original (W 168) protagonizaria, pouco depois, o inesquec√≠vel epis√≥dio em que, conduzido por um jornalista sueco, capotava ao realizar o, a partir ent√£o, mundialmente c√©lebre ‚ÄúTeste do Alce‚ÄĚ. Suspensas as suas vendas e produ√ß√£o, regressaria ao mercado, meses depois, com uma suspens√£o mais firme e o ESP inclu√≠do no seu equipamento de s√©rie, altera√ß√Ķes introduzidas tamb√©m nas unidades j√° entregues a clientes.

J√° quando, em 2012, foi lan√ßada a sua terceira gera√ß√£o, o Classe A deixou, definitivamente, para tr√°s esse conturbado in√≠cio de vida. De tal forma que, duas d√©cadas e tr√™s gera√ß√Ķes volvidas, conquistou j√° qualquer coisa como tr√™s milh√Ķes de clientes, sendo que, no seu conjunto, a gama desenvolvida com base no mesmo (Classe B, CLA, CLA Shooting Brake E GLA) contabiliza j√° mais de seis milh√Ķes de unidades vendidas, assegurando cerca de um quarto das vendas da marca da estrela.

Inicialmente adoptado por um cliente mais maduro, que pretendia um Mercedes de dimens√Ķes mais contidas e era apreciador da sua posi√ß√£o de condu√ß√£o mais elevada, o Classe A passou a ser uma proposta bem mais juvenil, com 60% dos seus clientes desde 2012 a provirem de outras marcas, pelo meio reduzindo-se a respectiva m√©dia de idades em dez anos, assegura, hoje, em conjunto com os seus derivativos (Classe B, CLA, CLA Shooting Brake e GLA). √Č, pois, um modelo absolutamente decisivo para o seu construtor, e mais ainda quando a pr√≥pria Mercedes assegura ser a sua nova gera√ß√£o um autom√≥vel que, sem nada perder em termos de desportividade nem prazer de condu√ß√£o, est√° mais maduro e confort√°vel do que nunca, capaz de redefinir o conceito de luxo no segmento dos familiares compactos de prest√≠gio.

Tanto assim √©, que at√© pode servir como um vislumbre do que poder√° ser a mudan√ßa do paradigma das motiva√ß√Ķes de compra no futuro. Mas j√° l√° iremos. Para j√°, foco naqueles que continuam, embora n√£o se sabendo por quanto tempo, a ser os factores a que os consumidores ainda v√£o dando mais import√Ęncia num autom√≥vel.

Comecemos pela est√©tica. Com a apar√™ncia din√Ęmica, com um certo toque desportivo at√©, que marcou em definitivo o seu antecessor, o Classe A exibe agora um estilo mais puro, assim como dimens√Ķes e propor√ß√Ķes aperfei√ßoadas (cresceram, nomeadamente, a dist√Ęncia entre eixos e a projec√ß√£o traseira), assumindo-se como o passo seguinte da filosofia de design Pureza Sensual da Mercedes, mas com uma superior funcionalidade.

Cada qual avaliar√° por si o resultado final, que esta √© √°rea sempre t√£o determinante quanto sens√≠vel e discut√≠vel. Mas refira-se que, logo num primeiro olhar, o novo Classe A √© de imediato identific√°vel como um Classe A, ganhando ainda maior apelo com os opcionais far√≥is por LED (ou¬† Multibeam LeD) e a grelha com look diamante. Dignos de men√ß√£o s√£o ainda o facto de as medidas das jantes dispon√≠veis terem aumentado uma polegada face √† anterior gera√ß√£o (variam, agora, entre 16‚ÄĚ e 19‚ÄĚ), que o CX passou de 0,26 para 0,25 (√© anunciado como o melhor da classe), e que o sistema Airpanel, constitu√≠do por uma cortina activa composta por dois pain√©is colocados na grelha frontal, √© elemento que ajuda a optimizar a aerodin√Ęmica e os consumos, embora tamb√©m seja uma op√ß√£o.

A din√Ęmica foi outro trunfo que muito contribuiu para o invej√°vel sucesso do Classe A da anterior gera√ß√£o, O novo, como √© obvio, n√£o pretende ficar-lhe atr√°s, bem pelo contr√°rio, antes apostando num desempenho de excel√™ncia, para o que conta com uma superior rigidez estrutural e suspens√Ķes mais evolu√≠das. A suspens√£o dianteira volta a adoptar uma solu√ß√£o do tipo MacPherson com tri√Ęngulo inferior, mas com uma geometria optimizada e maior quantidade de componentes em alum√≠nio, para reduzir o peso n√£o suspenso. J√° eixo traseiro √© do tipo semi-r√≠gido nas vers√Ķes de acesso, ou multi-link, com quatro bra√ßos, nas variantes mais potentes e em todas as que disponham de trac√ß√£o integral 4Matic ‚Äď podendo, opcionalmente, contar com uma configura√ß√£o rebaixada 15 mm e dotada de molas e amortecedores espec√≠ficos, para um desempenho mais desportivo, ou mesmo dispor de amortecimento activo. O sistema Dynamic Select, que permite optar entre os modos de Condu√ß√£o Eco, Normal, Sport e Individual (personaliz√°vel pelo condutor), √© de s√©rie em todas as vers√Ķes.

A oferta de motores, na fase de lançamento, inclui três unidades com turbocompressor e injecção directa de combustível. Para já, só existe uma opção de transmissão: caixa pilotada de dupla embraiagem e sete velocidades 7G-DCT, uma evolução da conhecida da anterior geração, no caso da versão mais potentes, ou uma nova, fornecida pela Getrag, nas mais acessíveis).

Na base da gama est√° o A 200, animado pelo novo propulsor a gasolina de 1332 cc desenvolvido em conjunto com a Renault, em substitui√ß√£o do anterior 1.6. Com 163 cv, 250 Nm e filtro de part√≠culas, conta com sistema de desactiva√ß√£o de cilindros, que, em carga parcial, entre as 1250-3800 rpm, est√° apto a desligar dois cilindros atrav√©s da inibi√ß√£o do funcionamento das v√°lvulas de admiss√£o e escape do segundo e terceiro cilindros, com o intuito de reduzir consumos e emiss√Ķes, anunciando 5,2 l/100 km no ciclo combinado. Numa fase posterior, tamb√©m ser√° proposto com caixa maual de seis rela√ß√Ķes e trac√ß√£o total.

A op√ß√£o Diesel toma forma no A 180 d, que, mais uma vez, monta o conhecido motor Renault de 1,5 litros, agora com 116 cv e 260 Nm, que a Mercedes afirma ter sujeito a profundas altera√ß√Ķes, sendo exclusivos desta aplica√ß√£o os apoios, o volante bimassa, o alternador, o compressor do ar condicionado, o software de gest√£o e o sistema start/stop.

O mais dotado da família é, por ora, o A 250, equipado com uma evolução do anterior quatro cilindros de 2,0 litros com distribuição variável Camtronic e integrando igualmente um filtro de particulas, apta a disponibilizar 224 cv e 350 Nm. Também será disponibilizado, mais tarde, com transmissão integral.

Fpi na Cro√°cia que a Mercedes proporcionou √† imprensa o primeiro contacto din√Ęmico com o novo Classe A, onde as aten√ß√Ķes foram para as suas vers√Ķes mais acess√≠veis, aquelas que, previsivelmente, dominar√£o as vendas em Portugal, em particular a 180 d. Os percursos n√£o eram especialmente longos ou exigentes, mas chegaram para perceber que, em qualquer dos casos, o pisar √© bem mais refinado, mais pr√≥ximo do t√≠pico de modelos de segmentos superiores, como o Classe C.

O comportamento convence, em boa parte gra√ßas a uma frente eficaz, r√°pida na inser√ß√£o em curva, est√°vel na manuten√ß√£o da traject√≥ria, e com muita motricidade √† sa√≠da, suportando bem as solicita√ß√Ķes mais exigentes, e evitando a subviragem prematura. E, apesar do eixo de tor√ß√£o atr√°s, o conforto √© de bom n√≠vel, tal como o isolamento do habit√°culo.

O motor a gas√≥leo n√£o tem como principal atributo o baixo ru√≠do de funcionamento, o que tamb√©m j√° n√£o √© novidade, mas √© bastante comedido em termos de consumos e acaba por desenvencilhar-se de forma satisfat√≥ria na generalidade das situa√ß√Ķes. A nova unidade 1.3 a gasolina despacha-se, como seria de esperar, bastante melhor, ainda que, em carga e a alto regime, tamb√©m n√£o constitua, propriamente, uma ode ao sil√™ncio.

Aqui chegados, √©, ent√£o, altura de avaliar o interior. Extremamente acolhedor, √© um facto, e mais ainda nas unidades presentes nesta apresenta√ß√£o aos jornalistas, dotadas de muitos dos mais apetec√≠veis elementos presentes na lista de op√ß√Ķes, inclusive os mais refinados acabamentos e materiais de revestimentos ‚Äď o que nem assim impediu que se identificassem alguns (poucos, reconhe√ßa-se) pl√°sticos poucos convincentes para um autom√≥vel premium, mesmo que destinado ao segmento dos compactos.

Tendo por base uma plataforma totalmente nova, o Classe A cresceu 120 mm em comprimento (4419 mm), 16 mm em largura (1796 mm), 6 mm em altura (1440 mm) e 30 mm entre eixos (2729 mm), o que se traduz num espaço habitável mais generoso. A mala oferece 370 litros com os cinco lugares montados (mais 29 litros que anteriormente), a volumetria da maior parte dos espaços destinados à arrumação de objetos também aumentou. Quanto à decoração, é marcada pelo tablier ininterrupto, pelas cinco saídas de ventilação em forma de turbina e, em opção, pela iluminação ambiente interior por LED capaz de variar entre 64 cores, e de oferecer alguns efeitos espectaculares.

Mas n√£o √©, de todo, por isto que para o fim ficou a avalia√ß√£o do interior. Como todos os Mercedes totalmente novos dos √ļltimos tempos, e os que a√≠ vir√£o, o novo Classe A estreia solu√ß√Ķes que nem os mais exclusivos modelos da marca ainda oferecem. A mais espectacular, a integrar no futuro na restante gama da casa da estrela, o sistema de infoentretenimento MBUX (Mercedes-Benz User Experience) proposto em tr√™s patamares, que come√ßar por distinguir-se atrav√©s dos ecr√£s que o comp√Ķem ‚Äď o que serve de painel de instrumentos digital, e o instalado ao centro do tablier. Na vers√£o Homescreen, ambos s√£o de 7‚ÄĚ; na Basescreen, o central √© de 10,25‚ÄĚ; na Fullscreen, um verdadeiro must have, contam os dois com 10,25‚ÄĚ.

Al√©m do ambiente futurista que confere ao habit√°culo, tudo √© f√°cil amplamente configur√°vel, at√© o opcional e muito completo head up display, atrav√©s do ecr√£ t√°ctil central, do novo e soberbo touchpad instalado entre os bancos, ou dos bot√Ķes sens√≠veis ao toque existentes no volante. Uma verdadeira del√≠cia para os amantes das novas tecnologias.

S√£o tantas as fun√ß√Ķes do MBUX, que √©¬† imposs√≠vel aqui descrev√™-las a todas, e muito menos em detalhe. Mas n√£o √© poss√≠vel deixar de referir os comandos vocais, iniciados atrav√©s da express√£o ‚ÄúOl√°, Mercedes‚ÄĚ, que j√° permitem controlar in√ļmeras fun√ß√Ķes; assim como a intelig√™ncia artificial, que lhe confere a capacidade de auto-aprendizagem (evolui em perman√™ncia, mormente na capacidade de formular sugest√Ķes ao utilizador com base no que apreende serem as suas prefer√™ncias e necessidades), ou a navega√ß√£o com realidade aumentada, indica√ß√Ķes em tempo real atrav√©s de imagens v√≠deo projectadas sobre a cartografia tridimensional e fun√ß√Ķes baseadas na comunica√ß√£o entre ve√≠culos.

A App Mercedes me é o elemento que assegura diversos serviços conectados, caso da inédita partilha do veículo. Disponível em Julho, basta ao proprietário do Classe A criar e partilhar uma chave digital com um grupo de utilizadores, e estes passam a poder aceder ao veículo através do seu smartphone, e a utilizá-lo nos períodos por este definidos. O truque está na segunda chave, que se mantém inactiva no interior do veículo até que o tal código seja activado por um dos utilizadores, voltando a ser inactivada quando deixada no seu interior e este dá por findo o período de utilização.

Este √©, tamb√©m, o primeiro Classe A com condu√ß√£o semi-aut√≥noma, herdando do Classe S v√°rias solu√ß√Ķes neste particular. Entre muitos outros dispositivos, destaque para o cruise-control adaptativo com fun√ß√£o stop&go nos engarrafamentos, assist√™ncia activa √† direc√ß√£o (mant√©m o ve√≠culo centrado na faixa de rodagem, e muda de faixa autonomamente, bastando, para tal accionar o ‚Äúpisca‚ÄĚ) e ajuste autom√°tico da velocidade aos limites da via, assim como na aproxima√ß√£o a curvas, cruzamentos, rotundas e afins. E, tamb√©m, para a monitoriza√ß√£o do √Ęngulo morto, activa mesmo com o veiculo se imobiliza (durante tr√™s minutos ap√≥s a paragem), alertando o condutor quando este pretende abrir a porta, e sair do ve√≠culo, quando se encontra um objecto em movimento nas imedia√ß√Ķes ‚Äď algo que nem o Classe S ainda oferece.

As primeiras entregas do novo Classe A em Portugal est√£o previstas j√° para o in√≠cio de Maio. E para que os seus clientes possam optar, pelo mesmo pre√ßo, por uma vers√£o mais econ√≥mica, ou por uma deriva√ß√£o mais din√Ęmica, a Mercedes prop√Ķe o A 180 d e o A 200 pelo mesmo pre√ßo de ‚ā¨32¬†450, or√ßando o A 250 em ‚ā¨47¬†100. Em qualquer deles, a linha Style √© de s√©rie, pelo que o diferencial de pre√ßo √© desprez√≠vel face ao anterior modelo, devido √† inclus√£o das jantes de 16‚ÄĚ, dos estofos em pele e tecido, da c√Ęmara traseira e da vers√£o Homescreen do MBUX, com pr√©-instala√ß√£o da navega√ß√£o.

Est√£o, ainda, dispon√≠veis, com todos os motores, v√°rios packs de equipamento, para que os elementos que os comp√Ķem sejam propostos a um pre√ßo mais atractivo do que quando adquiridos individualmente. A Linha Style Plus inclui as jantes 17‚ÄĚ e os far√≥is LED High Performance, custando ‚ā¨1050. A linha Progressive, compostas pelas jantes de 17‚ÄĚ, pelos bancos em pele, pelos acabamentos a imitar carbono, pelo volante em pele, pelos far√≥is LED High Performance e pelo ar condicionado electr√≥nico custa ‚ā¨1650 (‚ā¨1450 no caso do A 250). A linha AMG exige o disp√™ndio de ‚ā¨2250.

No Pack Advantage, por ‚ā¨1150, incluem-se o sistema MBUX com navega√ß√£o e ecr√£ central de 10,25‚ÄĚ, os sensores de estacionamento e os espelhos rebat√≠veis electricamente. Por ‚ā¨2900, o Pack Premium acrescenta a este lote o segundo ecr√£ de 10,25″, o acesso sem chave, os bancos aquecidos, o sistema de som com dez altifalantes, a ilumina√ß√£o ambiente de 64 cores e as embaladeiras iluminadas. A tradicional Edition 1, dispon√≠vel durante cerca de um ano ap√≥s o lan√ßamento, obriga a gastar ‚ā¨2650, incluindo v√°rios elementos exteriores e interiores exclusivos em verde, linha AMG exterior, far√≥is LED High, bancos desportivos, luz ambiente de 64‚ÄĚ e jantes de 19‚ÄĚ.

Resta referir que o novo Classe A, e as suas tr√™s op√ß√Ķes de motor, s√£o s√≥ o primeiro per√≠odo do novo capitulo da sua hist√≥ria. At√© porque a fam√≠lia de compactos da marca vai passar a contar oito membros: o rec√©m-mostrado hatchback, os j√° conhecidos Classe B, CLA, CLA Shooting Brake e GLA, os novos Classe A Limousine e GLB‚Ķ e mais um que ainda est√° por ser revaldo. Quanto a novas vers√Ķes, as de trac√ß√£o integral 4Matic chegam em Outubro, para 2019 estando previstos o A35 AMG (a revelar ainda este ano), o A 200 d (animado pelo mesmo motor 2.0 turbodiesel de 150 cv do Classe E, combinado com caixa manual e autom√°tica), o A 45 AMG (a mostrar no Sal√£o de Genebra, espera-se ofere√ßa uma pot√™ncia na casa dos 400 cv) e uma variante h√≠brida. A vers√£o totalmente el√©ctrica, e dado que a nova plataforma foi desenvolvida a pensar nessa possibilidade, est√° praticamente garantido ser√° uma realidade, embira o mais prov√°vel √© que surja integrada na gama da EQ, a nova submarca da Mercedes para os el√©ctricos.

Qual é a sua reação?
Excelente
100%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
N√£o gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Coment√°rios
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

2 × 2 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como s√£o processados os dados dos coment√°rios.