CompararComparando ...

Volvo XC90 D4 FWD Momentum

Artigo
Volvo XC90 D4 FWD Momentum

Visão geral
Marca:

Volvo

Modelo:

XC90

Versão:

D4 FWD Momentum

Ano lançamento:

2015

Segmento:

SUV

Nº Portas:

5

Tracção:

Dianteira

Motor:

2.0 Diesel

Pot. máx. (cv/rpm):

Potência máxima (cv/rpm):

Vel. máx. (km/h):

205

0-100 km/h (s):

9,2

CO2 (g/km):

136

PVP (€):

68 348/75 044

Gostámos

Preço, Qualidade geral, Classe e distinção, Consumos, Habitáculo amplo e versátil, Facilidade de condução

A rever

Ausência de patilhas de comando da caixa, Conforto em piso degradado

Nosso Rating
Rating Leitor
Para avaliar, registe-se ou inicie sessão
Qualidade geral
9.0
Interior
9.0
Segurança
9.0
Motor e prestações
8.0
Desempenho dinâmico
8.0
Consumos e emissões
8.0
Conforto
9.0
Equipamento
9.0
Garantias
7.0
Preço
8.0
Se tem pressa...

Na sua versão de acesso, o Volvo XC90 volta a demonstrar por que motivo é uma das principais estrelas do momento no seu segmento. Pleno de estilo, oferecendo espaço em abundância e muita versatilidade, garantindo consumos de excelente nível e praticando um preço sem rival, o modelo nórdico é mesmo uma das principais opções a ter em conta no momento na sua categoria

8.4
Nosso Rating
Rating Leitor
You have rated this

 

Uma das melhores criações de sempre da Volvo, o XC90 é, também, uma das referências absolutas de um dos mais concorridos segmentos do mercado da actualidade, não temendo a comparação directa com a principal concorrência, seja esta germânica ou britânica. Um dos mais nobres SUV de grande porte do momento, tem na variante D4, com motor 2.0 turbodiesel de 190 cv e tracção apenas dianteira, uma das mais interessantes para o mercado português, pelo menos para quem não queira aventurar-se por caminhos mais “pedregosos”, em boa parte devido ao seu preço mais acessível.

Independentemente da motorização ou da transmissão utilizadas, domínio em que o XC90 brilha sempre é o da estética, um dos grande atributos do modelo sueco. As formas da carroçaria são soberbas, absolutamente deliciosas e plenas de classe, distinção e originalidade, conseguindo combinar as imponentes dimensões exteriores (quase cinco metros de comprimento por mais de dois de largura…) com uma simplicidade do traço tipicamente nórdica, tudo concorrendo para um carácter muito próprio.

Aceder ao interior é comprovar que quase tudo no novo XC90 foi pensado para garantir um produto consistente e coerente nas suas mais diversas valências. Mais uma vez aqui, a tal simplicidade nórdica do design e da decoração estão bem patentes, mas nem por isso o habitáculo é menos acolhedor – bem pelo contrário. Concorrem para isso diversos factores, entre os quais é forçoso destacar a qualidade de materiais e acabamentos, que não só não fica a dever, como é melhor do que a dos modelos de origem germânica.

Além da decoração tipicamente nórdica, o habitáculo oferece uma generosa habitabilidade e uma qualidade geral de excelente nível

Além da decoração tipicamente nórdica, o habitáculo oferece uma generosa habitabilidade e uma qualidade geral de excelente nível

O habitáculo comprova que tudo no novo XC90 foi pensado para criar um produto consistente e coerente. Também aqui, o estilo extremamente moderno é um elemento decisivo: ao design de linhas simples e fluídas junta-se uma decoração marcada pelas cores claras, para garantir um ambiente a bordo soberbo, por demais acolhedor. Em destaque, a qualidade de materiais e acabamentos; alguns detalhes que conferem ao interior um toque de originalidade (como os botões a imitar cristal, caso do selector do modo de condução e, junto a este, do inédito interruptor quadrangular rotativo que opera a ignição); e o enorme ecrã táctil de 12,3” para controlo do sistema de infoentretenimento, que domina o tablier e zonas limítrofes (um verdadeiro tablet, na aparência e no funcionamento, pleno de funções e que impressiona ainda pelo interface muito intuitivo, pelo grafismo, pela excelente resolução e pela rapidez de operação, havendo apenas que atentar em algumas especificidades, como existirem funções que não estão disponíveis em todos os modos de condução, e outras cujo acesso não é o mais óbvio – o que obriga a alguma habituação para dele se tirar pleno partido).

Ainda no interior, tão relevante quanto a aparência é a habitabilidade e a funcionalidade. O espaço habitável é muito amplo em todos os lugares, inclusive na terceira fila de bancos, quando se opta pela configuração de sete lugares. Contando os três bancos individuais da segunda fila com regulação da inclinação das costas e longitudinal do assento, é imperioso sublinhar que, mesmo estando estes na sua posição mais recuada (situação em que aqui se dispõe de um verdadeiro “salão”), ainda assim, o espaço para pernas nos dois últimos lugares é razoável; e que numa solução de compromisso, todos os passageiros dispõem de uma comodidade e de uma liberdade de movimento apreciável, o que faz deste um verdadeiro sete lugares. Até porque o acesso à terceira fila de bancos nem é dos mais complicados.

No caso da bagageira, na tal configuração de sete lugares, a sua capacidade é, naturalmente, limitada, embora aceitável; e muito generosa quando com apenas cinco bancos montados. Como a unidade ensaiada dispunha de suspensão pneumática, no painel lateral interior da mala existe um botão que serve para baixar suspensão e facilitar as cargas e descargas.

Excelente companheiro nas tiradas mais longas, o XC90 é um verdadeiro sete lugares, em que mesmo dois adultos se acomodam na terceira fila de bancos. Quando não estão a uso, permitem ampliar generosamente a capacidade da bagageira

Excelente companheiro nas tiradas mais longas, o XC90 é um verdadeiro sete lugares, em que mesmo dois adultos se acomodam na terceira fila de bancos. Quando não estão a uso, permitem ampliar generosamente a capacidade da bagageira

Passar para o volante é usufruir de uma ergonomia próxima da perfeição e de um óptimo posto de condução, em que o único reparo vai para o volante – não pela sua pega ou dimensões, mas pelo desenho vulgar, pouco inspirado, em franco contraste com o ambiente interior. Ainda assim, nada que desmotive fazer (bom) uso do potencial dinâmico deste XC90 D4 FWD, em cuja génese está a nova plataforma SPA da Volvo, a mesma que servirá, também, os futuros S90/V90.

O motor biturbo de 190 cv e 400 Nm dá muito boa conta de si, oferecendo um funcionamento suave e silencioso q.b. (que a óptima insonorização depois assegura que praticamente não se faz sentir no habitáculo, a não ser na situações de carga total), e garantindo uma reposta pronta na generalidade das situações, assim concorrendo para uma condução fácil e agradável. Tanto ou mais que as boas prestações impressionam os consumos comedidos, tanto a velocidades estabilizados, como até em cidade, sendo perfeitamente possível ficar abaixo dos 8.0 l/100 km numa utilização quotidiana, e aquém dos 10,0 l/100 km mesmo quando se trata com total falta de cerimónia o pedal da direita.

O conjunto motor/caixa assegura boas prestações, consumos entusiasmantes e um preço fora do alcance dos rivais do ZC90. Só é pena que as patilhas de comando da caixa automática não sejam propostas nem como opção, a não ser nas versões R-Design

O conjunto motor/caixa assegura boas prestações, consumos entusiasmantes e um preço fora do alcance dos rivais do ZC90. Só é pena que as patilhas de comando da caixa automática não sejam propostas nem como opção, a não ser nas versões R-Design

Para este resultado contribui, ainda, a caixa automática de oito velocidades, eficiente na generalidade das situações, ainda que a ritmos mais exigentes sejam notórias as suas hesitações, o que só é possível obviar recorrendo-se ao comando manual sequencial. Uma lacuna a rever tão breve quanto possível, o não estarem disponíveis, nem como opção, as patilhas do volante (são propostas apenas nas versões R-Design), até porque o comando sequencial do punho está “invertido” face ao natural, ou seja, desmultiplicando para a frente, e reduzindo para trás.

Como seria “obrigatório” a este nível, o XC90 D4 conta com vários modos de utilização (Eco, Comfort, Dynamic, Individual e Off Road), destinados a adaptar o funcionamento dos seus principais componentes às exigências do momento: motor, caixa de velocidades, direcção e a opcional suspensão pneumática Four-C quando instalada (como acontecia com a unidade em análise). Globalmente, o comportamento dinâmico caracteriza-se por ser equilibrado e previsível, mesmo que o modelo nunca consiga disfarçar as suas dimensões e peso, não sendo por isso especialmente ágil ou envolvente numa condução mais empenhada, acabando por ser mais convincente em auto-estrada e em curvas rápidas do que em troços mais sinuosos – situação em não deixa de der fácil de conduzir, mas em que se torna mais evidente a sua tendência subviradora sempre que se força o ritmo, esperada num “tudo à frente” deste porte.

É em estrada que o XC90 D4 FWD se sente mais à vontade, já que fora dela a tracção dianteira é uma limitação determinante

É em estrada que o XC90 D4 FWD se sente mais à vontade, já que fora dela a tracção dianteira é uma limitação determinante

Sobre o asfalto, o XC90 D4 assume-se, pois, como um SUV de nítida vocação estradista, um excelente viajante, sempre muito agradável de utilizar, apesar de o conforto estar longe de ser irrepreensível em pisos mais degradados. Fora de estrada, e mesmo com o modo Off Road seleccionado, as incursões por terrenos mais acidentados deverão ter em conta as naturais limitações de uma versão de tracção apenas dianteira, mesmo que os ângulos característicos até sejam motivadores: altura ao solo variável entre 227 mm e 267 mm (fixa de 238 mm nas versões com suspensão convencional); passagem a vau de 450 mm; ângulo de ataque de 23,8°), de saída de 23,3° e ventral de 21,3°.

Contas feitas, o XC90 D4 FWD revelou-se uma excelente alternativa aos tradicionais dominadores desta classe, em particular para os amantes das grandes viagens em família, ou com amigos, assim como para aqueles que, frequentemente, precisam de mais lugares do que o habitual. Face aos seus rivais, o preço é outro factor determinante a ter em conta, em grande parte resultado de uma gama de motores em que na base está este 2.0 turbodiesel de 190 cv, capaz de garantir um desempenho dinâmico digno ao modelo, e de lhe permitir praticar um preço em torno dos 60 mil euros quando conjugado com o nível de equipamento base Kinetic, ou de €68 348 quando dotado do já muito generoso nível de equipamento Momentum – valores com os quais nenhum dos seus opositores consegue ombrear.

A aparência exterior é um dos grandes trunfos do XC90, que combina o porte distinto com a elegância das linhas simples, tradicionais do design nórdico

A aparência exterior é um dos grandes trunfos do XC90, que combina o porte distinto com a elegância das linhas simples, tradicionais do design nórdico

Airbag para condutor e passageiro (desligável)
Airbags laterais dianteiros
Airbags de cortina
Airbag para os joelhos do condutor
Controlo electrónico de estabilidade
Cintos dianteiros com pré-tensores e limitadores de esforço
Fixações Isofix
Alerta de saída de faixa de rodagem
Assistente aos arranques em subida
Controlo automático de descidas (HDC)
Travão de estacionamento eléctrico
Ar condicionado automático bizona
Computador de bordo
Banco do condutor com regulação em altura/apoio lombar
Banco traseiro rebatível 60/40
Volante multifunções em pele, regulável em altura+profundidade
Sistema multimédia, com ecrã de 8″, USB, Aux e Bluetooth
Direcção com assistência electrohidráulica variável
Vidros eléctricos FR/TR
Retrovisores exteriores eléctricos+aquecidos
Retrovisor interior electrocromático
Cruise control+limitador de velocidade
Sensores de estacionamento traseiros
Sensor de chuva
Faróis de nevoeiro
Jantes de liga leve de 19″
Kit anti-furo
Sistema de monitorização da pressão dos pneus
Estojo de primeiros socorros

Pintura metalizada (€1027)
Light Pack (€1500 – inclui: pacote de luzes interiores; faróis por LED; lava-faróis)
Climate Confort Pack (€1082 – inclui: tapetes na 3ª fila de bancos; ar condicionado quatro zonas; ar condicionado na 3ª fila de bancos)
Business Pack (€1863 – inclui: painel de instrumentos digital; sistema de navegação; sistema de auxílio ao estacionamento Park Assist Pilot)
Family Pack (€221 – inclui: fecho de segurança eléctrico das portas traseiras; banco de criança integrado)
Versatility Pack (€769 – inclui: acesso+arranque sem chave; rede de protecção de bagagens; suporte de mercearias; tomada de 12 Volt na bagageira)
Definições do modo de condução (€111)
Estofos em pele (€1027)
Banco do condutor com regulação eléctrica (€880)
Banco do passageiro com regulação eléctrica (€553)
Suspensão pneumática Four-C (€2645)
Câmara de estacionamento traseira (€523)

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    11 − 1 =

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.