CompararComparando ...

Jeep Compass 1.6 Multijet II 120 4×2 Limited

Artigo
Jeep Compass 1.6 Multijet II 120 4×2 Limited

Visão geral
Marca:

Jeep

Modelo:

Compass

Versão:

1.6 Multijet II 120 4x2 Limited

Ano lançamento:

2017

Segmento:

SUV

Nº Portas:

5

Tracção:

Dianteira

Motor:

1.6 Diesel

Pot. máx. (cv/rpm):

120/3750

Vel. máx. (km/h):

185

0-100 km/h (s):

11,0

CO2 (g/km):

117

PVP (€):

35 500/37 700

Gostámos

SUV com atitude TT, Versatilidade, Estética e imagem de marca, Habitabilidade

A rever

Insonorização, Motor ruidoso

Nosso Rating
Rating Leitor
Para avaliar, registe-se ou inicie sessão
Qualidade geral
7.0
Interior
7.0
Segurança
8.0
Motor e prestações
6.0
Desempenho dinâmico
7.0
Consumos e emissões
7.0
Conforto
8.0
Equipamento
8.0
Garantias
6.0
Preço
7.0
Se tem pressa...

Sem deixar de competir no segmento dos SUV, o novo Jeep Compass marca a diferença pela sua estética, e postura, mais próximas de um verdadeiro todo-o-terreno do que o habitual. A versão Diesel de acesso conta ainda com um posicionamento comercial competitivo

7.1
Nosso Rating
Rating Leitor
You have rated this

 

Agora representada e distribuída em Portugal pelo próprio grupo FCA, e numa altura em que se processa uma profunda renovação na sua gama, a Jeep reúne todas as condições para assumir no nosso país um protagonismo diferente daquele que tem tido nos últimos anos, qui ça semelhante ao que já teve entre nós em tempos idos. Um dos modelos que mais pode contribuir para tal é o novo Compass, por sinal apresentado internacionalmente à imprensa em terras lusas, e que aqui é analisado na sua variante Compass 1.6 Multijet II 120 4×2 Limited, a mais acessível entre as animadas por motores Diesel, mas a mais dotada em termos de equipamento.

Posicionado entre o Renegade e o Cherokee, e assente na mesma plataforma do modelo de acesso à gama da norte-americana (também utilizada pelo Fiat 500X, e que acaba por ser uma versão adaptada ao segmento SUV da que serve o Alfa Romeo Giulietta), naturalmente que o Compass, em termos comerciais, acaba por inserir-se no cada vez mais concorrido e competitivo segmento C SUV. Mas adoptando uma postura assumidamente diferente do habitual na classe, que se faz sentir logo num primeiro olhar, mas que vai muito para além da estética.

As linhas originais, e mais aparentadas com as de um verdadeiro todo-o-tereno do que com as de "um SUV da moda" são um trunfo do novo Jeep Compass

As linhas originais, e mais aparentadas com as de um verdadeiro todo-o-tereno do que com as de “um SUV da moda” são um trunfo do novo Jeep Compass

Porventura devido a experiências anteriores menos bem sucedidas, quando do desenvolvimento do Compass, a Jeep decidiu não abdicar, desde logo no plano estilístico, mas não só, do seu ADN fundamental enquanto marca pioneira e especialista na construção de veículos de todo-o-terreno. Por isso, do seu antecessor, produzido durante uma década com sucesso muito relativo, o novo Compass mais não herda do que o nome.

Sendo esta uma opção que lhe permite exibir linhas exteriores muito interessantes, em que predominam uma interpretação moderna da grelha frontal tipicamente Jeep, com as suas inevitáveis seis barras verticais, assim como os guarda-lamas alargados trapezoidais, que lhe conferem aquele ar robusto, tão típico dos modelos da marca norte-americana. E que aqui se conjugam com uma secção traseira imponente, de linhas mais americanizadas, nitidamente inspirada no Grand Cherokee, e com outros elementos mais “suaves” e na linha dos tão em voga SUV – uma combinação de modernidade com tradição, que acaba por encontrar-se um pouco por todo o veículo.

Nomeadamente no habitáculo. Em termos de qualidade, não deslumbrando, também não desilude, enveredando aqui a Jeep por um caminho que está longe de ser inédito: montagem de nível aceitável, materiais e acabamentos de nível médio-alto na maioria dos locais visíveis, conjugados com outros bem menos nobres, sobretudo nos locais mais recônditos ou menos visíveis. Nada que muitos outros rivais também não façam.

No interior pontificam a posilção de condução dominante, um apreciável nível de qualidade geral e uma decoração ao estilo TT

No interior pontificam a posilção de condução dominante, um apreciável nível de qualidade geral e uma decoração ao estilo TT

Ainda assim, o interior oferece uma agradável sensação de solidez, além de ser suficientemente espaçoso para o exigível a um automóvel desta categoria. E se algumas quotas de habitabilidade até ficam um pouco aquém do oferecido por concorrentes com dimensões exteriores e uma distância entre eixos semelhantes, o espaço disponibilizado atrás, nomeadamente em altura e, sobretudo, comprimento (aquele que define a maior ou menor facilidade com que as pernas dos ocupantes do banco traseiro aí se “encaixam”) acabam por ser de bom nível. Pena o banco traseiro não oferecer nenhum daqueles elementos que incrementam a versatilidade de utilização, como a regulação longitudinal ou a inclinação costas, à excepção do vão porta-skis e do rebatimento tripartido 40/20/40, que permite aumentar até 1251 litros uma bagageira que, com os cinco lugares montados, oferece uma capacidade de 438 litros, mas contando com um fundo que pode ser colocado em dois níveis diferentes de altura.

O ambiente a bordo é dominado por uma decoração simultaneamente actual, mas capaz de fazer a ponte com os clássicos TT “puros e duros” da marca, acabando por destacar-se o ecrã táctil de generosas dimensões para comando do sistema de infoentretenimento, que oferece numerosas funções, mas cujo grafismo merecia ser um pouco mais sofisticado. A instrumentação combina mostradores analógicos com ecrãs digitais, mas não coloca dificuldades de leitura a quem se senta atrás de um volante também de dimensões generosas e com amplas regulações, usufruindo de uma posição de condução elevada, mas acolhedora, igualmente evocativa dos Jeep clássicos, em boa parte devido à boa visibilidade dianteira, garantida pelo baixo capot.

O Compass Multijet II 120 é penalizado pelo motor ruidoso e por uma perfectível insonorização do habitáculo

O Compass Multijet II 120 é penalizado pelo motor ruidoso e por uma perfectível insonorização do habitáculo

Capot esse sob o qual está o conhecido motor turbodiesel 1.6 Multijet II, capaz de disponibilizar uma potência de 120 cv, e 320 Nm de binário máximo logo às 1750 rpm. Uma unidade que nunca foi elogiada pelo seu silêncio de funcionamento, handicap que, aqui, assume especial relevância, tendo em conta o muito que a Jeep ainda terá para melhorar no capítulo da insonorização do Compass. É que não bastava o facto de, a partir dos 120 km/h, o ruído aerodinâmico que invade o habitáculo já impedir que se possa manter uma conversação a bordo num tom de voz minimamente comedido, sempre que se pressiona o acelerador com um pouco mais de intensidade, o silvo que indica a entrada em funcionamento do turbocompressor também tende a passar a dominar o ambiente, parecendo que a turbina está montada no próprio habitáculo, ali mesmo sob o tablier…

À parte este “pormenor”, há que contar, ainda, com uma caixa de velocidades que, além de um comando suave, mas pouco rápido, possui um escalonamento algo longo, que não favorece, propriamente, o dinamismo da condução ou o agrado de utilização. É em parte por isso que as prestações não são mais do que medianas, e que é frequente ter que recorrer-se à caixa em cidade ou em percursos com maiores variações de velocidade, sendo os consumos não mais do que aceitáveis estrada, mas mais apelativos em cidade, em boa parte graças ao elevado binário disponibilizado pelo motor logo a baixo regime.

Graças a suspensões independentes nas quatro rodas, com uma correcta afinação dos elementos elásticos, capaz de garantir um bom compromisso entre eficácia e conforto, o comportamento em estrada pode não ser o mais envolvente, mas é muito são, marcado por reacções normalmente neutras, sempre honestas e previsíveis, e por um correcto controlo dos movimentos carroçaria, fazendo deste Compass 1.6 Multijet II 120 4×2 Limited um SUV sempre fácil conduzir e controlar. Suficientemente eficaz e bastante seguro na esmagadora maioria das situações, não adorna excessivamente, embora o centro de gravidade elevado, as dimensões e o peso acabem por não perdoar nos limites, em que evidencia uma natural tendência para a subviragem, facilmente controlável, mesmo com a electrónica desligada, através do doseamento do acelerador de uma direção directa, precisa e informativa q.b.

Bem comportado, em estrada e fora dela, o Compass Multijet II 120 é penalizado pelo motor ruidoso e por uma perfectível insonorização do habitáculo

Bem comportado, em estrada e fora dela, o Compass Multijet II 120 é penalizado pelo motor ruidoso e por uma perfectível insonorização do habitáculo

A outra face desta opção é um curso de suspensão relativamente generoso que, quando combinado com os ângulos característicos bem melhores do que os da esmagadora maioria da concorrência, tende a favorecer as incursões pelo fora de estrada, mesmo numa versão desprovida de tracção integral, “redutoras” ou, até, de um controlo de tracção optimizado – essa maior vocação TT está reservada à versão Trailhawk, com caixa de transferência, 20 mm adicionais de altura ao solo e o programa Rock específico para o controlo de tracção. A rever, seguramente, o lábio muito baixo do pára-choques dianteiro, que facilmente embate no solo sempre que se abandona o asfalto, havendo ainda que contar com distâncias de travagem que vão para além da média da classe, devido à montagem de pneus mistos.

Contas feitas, o Compass 1.6 Multijet II 120 4×2 Limited acaba por revelar-se um automóvel bastante equilibrado, e que tem como principal atributo conseguir marcar a diferença num segmento ultra-povoado e em que a versatilidade de utilização tende, cada vez mais, a ser menos um atributo real do que uma mera noção induzida pela estética. A proposta da Jeep segue via: a par de um estilo decididamente mais aventureiro, também aposta numa atitude em consonância, que não deixará de convencer os que consideram que um SUV, além de o parecer, também o deve ser.

A boa imagem de que a marca norte-americana desfruta também pode constituir um contributo importante para o êxito do Compass, que na versão ensaiada prima, igualmente, por um posicionamento comercial competitivo, não por via de um preço de arromba, mas por um correcto equilíbrio entre este e o generoso equipamento de série que o mesmo inclui, inclusive em termos de sistemas avançados de auxílio à condução. O que não significa que os packs de equipamento opcionais, montados na unidade ensaiada, muito facilitem o convívio quotidiano com o modelo.

Airbag para condutor e passageiro (desligável)
Airbags laterais dianteiros
Airbags de cortina
Controlo electrónico de estabilidade
Cintos dianteiros com pré-tensores e limitadores de esforço
Fixações Isofix
Sistema de travagem automática de emergência com alerta de colisão frontal*
Alerta de saída involuntária da faixa de rodagem
Sistema de leitura de sinais de trânsito
Sistema de auxílio aos arranques em subida
Travão de estacionamento eléctrico
Ar condicionado automático bizona
Computador de bordo TFT a cores de 7″+bússola
Bancos do condutor regulável em altura com regulação eléctrica do apoio lombar
Banco traseiro rebatível 40/20/40 com vão porta-skis
Volante multifunções em pele, regulável em altura+profundidade
Sistema de som com rádio digital DAB, leitor de mp3+ecrã táctil de 7,0″+6 altifalantes+tomadas USB/Aux+Apple CarPlay/Android Auto
Mãos-livres Bluetooth (telemóvel+streaming áudio)
Direcção com assistência eléctrica variável
Acesso+arranque sem chave
Vidros eléctricos FR/TR
Vidros traseiros escurecidos
Retrovisores exteriores eléctricos+aquecidos+rebatíveis electricamente
Retrovisor interior electrocromático
Cruise control+limitador de velocidade
Sensores de estacionamento traseiros
Sensores de luz/chuva
Luzes diurnas por LED
Faróis de nevoeiro com função de curva
Alarme
Barras de tejadilho
Jantes de liga leve de 18″
Roda suplente de emergência
Sistema de monitorização da pressão dos pneus
Kit de reparação de pneus

Pack Parking (€800 – inclui: espelhos retrovisores exteriores com luzes de cortesia; câmara de estacionamento traseira; sensores de estacionamento dianteiros; sistema de estacionamento automático; sistema de monitorização do ângulo morto; alerta de saída involuntária da faixa de rodagem)
Pack Infotainment (€1400 – inclui: sistema de som Beats; sistema multimédia Uconnect Radio com ecrã táctil de 8,4″, leitor de mp3, tomadas AUX/USB, mãos-livres Bluetooth e navegação)

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    6 + 18 =

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.