CompararComparando ...

“O Príncipe Piloto”: um livro a não perder pelos amantes do automóvel

Artigo
“O Príncipe Piloto”: um livro a não perder pelos amantes do automóvel

Há mais de duas décadas que o Henrique Sequerra faz o favor de ser meu amigo. Há não muito tempo atrás, também fez o favor de enviar-me, para leitura prévia, o seu mais recente livro – quase dois meses antes de este chegar às livrarias. E ainda fez o favor adicional de me dar a honra de integrar a sua lista de convidados para o lançamento oficial de “O Príncipe Piloto”, finalmente disponível nos escaparates.

E o advérbio finalmente emprego-o porque, devoradas as cercas de duas centenas de páginas da obra em poucas horas, decorria ainda Agosto, há já algum tempo que ansiava por poder sobre a mesma escrever algumas linhas. Sendo que, não tendo particular propensão, e menos ainda competência, para crítico literário, o mais que me apraz é poder partilhar a experiência da sua leitura.

Da mesma, retenho, acima de qualquer outra sensação, a surpresa. Não pela qualidade da prosa do Henrique, que conheço há muito, mas pelo facto de “O Príncipe Piloto” me ter sido originalmente apresentado como um livro que me ajudaria a melhor conhecer e compreender a chegada, a implementação e o desenvolvimento do automóvel, e do automobilismo, em Portugal, através da vida de uma das menos conhecidas figuras do final da monarquia portuguesa, o Príncipe D. Afonso de Bragança, e da sua paixão por essa absoluta novidade que era, à época, o automóvel.

Esperava, pois, encontrar dados e factos, histórias e curiosidades, sobre o tema. Não fiquei desiludido. Tanto mais que as remissões para fontes consultadas, e outras, sempre inevitáveis em qualquer obra com um cunho histórico, foram inteligentemente remetidas para um capítulo final dedicado à Bibliografia, assim se evitando as notas de rodapé que, para os menos aficcionados dos protocolos científicos, correm o risco de tornar a leitura mais fastidiosa e menos prazenteira.

Até aqui, nada de surpreendente, contudo. A surpresa chega com o evoluir da leitura, e do enredo, e o deparar-se o leitor com a forma perspicaz, e eficaz, como o Henrique consegue introduzir, num livro supostamente dedicado ao automóvel, e a um dos seus primeiros e mais ferrenhos adeptos em Portugal, um leque de elementos históricos já esquecidos, menos conhecidos, ou, até mesmo, absolutamente desconhecidos dos menos atreitos ao estudo da História do nosso país.

Melhor ainda, consegue fazê-lo sem, com isso, retirar interesse ou ritmo à leitura, sem se desviar do rumo original, sem dispensar subtis, mas absolutamente oportunas, notas daquele humor fino que sempre o caracterizou, e tão familiares de quem bem o conhece.

Surpresa adicional, a não menos fina ironia aplicada no comentário e na análise de diversos factos e contingências que marcaram um dos períodos mais marcantes e atribulados da história recente de Portugal, o final da monarquia e a instauração da primeira república. Ironia essa que o leitor não é, obviamente, obrigado a subscrever, mas que decerto não deixará de apreciar, e mesmo de julgar de modo a formular o seu próprio juízo.

Por grande que a tentação seja, não cabe aqui desvendar toda a história de “O Princípe Perfeito”. Merece bem a pena, isso sim, sublinhar ser este um livro capaz de satisfazer, de igual modo, os interessados pelo fenómeno automóvel, que, através dele, outro conhecimento ganharão da história de Portugal, e vice-versa – não sendo despicienda a sua capacidade para ajudar, ainda, quem o leia a melhor compreender algumas das idiossincrasias de uma das mais antigas nações europeias, e do seu povo, e porque, nalgumas questões essenciais, mais de um século volvido, tão pouco, ou mesmo, nada se alterou para ambos… ou em ambos!

Enquanto mero amante incondicional dos livros, ouso considerar “O Príncipe Piloto” um livro de leitura, se não obrigatória, altamente recomendada. Em que se cruzam, de forma particularmente feliz, a paixão, a história e a inteligência – indo uma nota final para o prefácio de Vasco Callixto, decano dos jornalistas portugueses, e que, aos 93 anos, mantém uma tão notável quanto invejável lucidez, na prosa como no discurso. Num registo mais pessoal, obrigado e parabéns, Henrique!

Qual é a sua reação?
Excelente
67%
Adoro
0%
Gosto
33%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    11 − 11 =

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.