Random Article


 
Últimos vídeos
 

Citroën C3 Aircross 1.2 PureTech Auto Shine

 
Citroën C3 Aircross 1.2 PureTech 110 Auto Shine
Citroën C3 Aircross 1.2 PureTech 110 Auto Shine
Citroën C3 Aircross 1.2 PureTech 110 Auto Shine

 
FICHA TÉCNICA
 

Marca:
 
Modelo:
 
Versão:
 
Ano De Lançamento:
 
Segmento:
 
Número De Portas:
 
Tracção:
 
Motor:
 
Potência máxima (cv/rpm): 110/5500
 
Velocidade máxima (km/h): 183
 
0-100 km/h (s): 11,8
 
Consumos Extra-urbano/combinado/urbano (l/100 km): 4,8/5,6/6,9
 
Emissões de CO2 (g/km): 126
 
PVP/Preço da unidade testada (€): 22 507/26 037
 
Qualidade geral
7.0


 
Interior
8.0


 
Segurança
8.0


 
Motor e prestações
7.0


 
Desempenho dinâmico
8.0


 
Consumos e emissões
6.0


 
Conforto
8.0


 
Equipamento
9.0


 
Garantias
6.0


 
Preço
5.0


 
Total Score
7.2


User Rating
no ratings yet

 

Gostámos


Versatilidade, Agrado de condução, Motor solícito, Imagem exterior e interior, Possibilidades de personalização

A rever


Consumo em cidade, Equipamento pneumático, Pormenores de ergonomia


Se tem pressa...

Não é fácil ficar indiferente ao novo SUV compacto da Citroën. O C3 Aircross cativa, desde logo, pela estética, mas os seus atributos vão muito mais além, e a versão 1.2 a gasolina de 110 cv adapta-se particularmente bem ao mercado português

0
PostedJaneiro 9, 2018 by

 
ARTIGO COMPLETO
 
 

Ficha de Medições

Velocidade máxima anunciada (km/h) 183
Acelerações (s)
0-100 km/h11,4
0-400 m17,9
0-1000 m33,6
Recuperações 60-100 km/h (s)
Em D6,4
Recuperações 80-120 km/h (s)
Em D8,8
Distância de travagem (m)
100-0 km/h43,5
Consumos (l/100 km)
Estrada (80-100 km/h)4,8
Auto-estrada (120-140 km/h)5,8
Cidade7,9
Média ponderada (*)6,86
Autonomia média ponderada (km)656
(60% cidade+20% estrada+20% AE)
Medidas interiores (mm)
Largura à frente1350
Largura atrás1320
Comprimento à frente1110
Comprimento atrás680
Altura à frente990
Altura atrás940

Num mercado cada vez mais pontuado por SUV e crossovers de toda a espécie e feitio, nos mais variados segmentos, fazer a diferença começa a ser tarefa hercúlea. Inclusive no chamado segmento B SUV, em que se insere o novo Citroën C3 Aircross, ao qual podem ser apontados como principais rivais o líder da classe Renault Captur, o seu (bem) estabelecido “primo” Peugeot 2008, ou os novos e ambiciosos Hyundai Kauai, Kia Stonic e Seat Arona. E isto só para referir alguns dos exemplos presentes mais notórios de um modelo que aqui é analisado na sua versão equipada com o motor 1.2 a gasolina de 110 cv, combinado com a caixa automática de seis velocidades e o nível de equipamento Shine, o mais dotado da gama.

É, assim, da mais elementar justiça destacar o trabalho realizado pela casa francesa na concepção de um modelo que, a começar (ou principalmente…) pela estética, tenderá a ser praticamente irresistível para os apreciadores dos SUV da nova vaga, em particular os de carácter e estilo mais irreverentes. E como se não bastassem as suas linhas, de acordo com a nova filosofia de estilo da marca, mas suficientemente marcantes para lhe conferirem uma personalidade muito própria, há que ter contar com as inúmeras possibilidades de personalização disponíveis, que permitem conceber um C3 Aircross praticamente ao gosto de cada um, aqui se incluindo a pintura bicolor, o tejadilho e as várias aplicações exteriores de cor contrastante e as “persianas virtuais” nos vidros laterais traseiros – ainda que estas últimas sejam uma opção a ponderar devidamente, se não pelo estilo, pelo menos pela sua (in)utilidade, ao eliminarem quase por completo as maiores virtudes desses mesmos vidros: tornar o interior mais luminoso e incrementar a visibilidade para trás.

Não há como resistir às formas originais, joviais, atrevidas até do novo C3 Aircross, mas as "persianas" laterais traseiras "virtuais" são uma oplão que deve ser ponderada, pelo que reduz a visibilidade para trás

Não há como resistir às formas originais, joviais, atrevidas até do novo C3 Aircross, mas as “persianas” laterais traseiras “virtuais” são uma oplão que deve ser ponderada, pelo que reduz a visibilidade para trás

Visualmente, o interior é. pelo menos, tão atraente quanto a carroçaria, e ainda mais no “nosso” C3 Aircross 1.2 PureTech 110 Auto Shine dotado do pack Kype Colorado (€750), em que se destacam os forros interiores em tecido do tipo pied-de-poule e pele laranja. Um verdadeiro mimo, pela forma como se combinam de forma extremamente feliz os diferentes materiais e texturas, muito ajudando a disfarçar a qualidade apenas mediada da maioria dos materiais utilizados, dominados pelos plásticos duros.

Por outro lado, e apesar de parte da sua designação, assim como a sua plataforma, provirem do utilitário da marca do double chevron, o C3 Aircross conta com uma volumetria bem mais generosa do que o C3, sendo maior 56 mm entre eixos e 76 mm comprimento, algo que vai ter óbvias consequências em termos de espaço para passageiros e bagagens. A habitabilidade é, pois, suficiente para transportar cinco passageiros com apreciável desafogo de movimentos, merecendo destaque o espaço para pernas disponível atrás e o banco traseiro rebatível assimetricamente e deslizante, com uma amplitude de 150 mm, assim permitindo ajustar a habitabilidade traseira e a capacidade da mala às necessidades do momento. Esta última oferece uns convincentes 410 litros com o banco traseiro na sua posição mais recuada, 510 litros estando este na sua posição mais avançada, e um máximo de 1289 litros caso o mesmo seja rebatido por completo – a que se junta o fundo falso, possível de colocar em três planos com outras tantas alturas.

De regresso ao habitáculo, os bancos, não obstante as suas formas bastante “quadradas”, a fazer lembrar o C4 Cactus e condicentes com as de outros elementos da carroçaria e do próprio interior (como as saídas de ventilação), são amplos e cómodos q.b., à frente como atrás. Já a posição de condução, proposita e notoriamente elevada, decerto convencerá os apreciadores deste género de proposta, tanto mais que o painel instrumentos estilizado não deixa de exibir a respectiva informação de forma lógica e muito legível, à semelhança do ecrã muito intuitivo ecrã de um sistema de infoentretenimento não particularmente rápido e do opcional head-up display.

O pacote Kype Colorado torna o interior, pelo menos, tão apelativo quanto a arrojada carroçaria

O pacote Kype Colorado torna o interior, pelo menos, tão apelativo quanto a arrojada carroçaria

O que não significa que não existam pormenores ergonomia pouco convincentes, e a merecer revisão. É o caso do satélite para comando do cruise control e do limitador de velocidade, instalado na coluna de direcção, solução que não é a mais prática, para mais num modelo que conta com volante multifunções, que é onde deveriam ter sido montados tais comandos. Situação semelhante ocorre com os botões destinados a activa os modos Sport e Snow da caixa de automática, situados praticamente na base da consola central (junto ao muito recomendável carregador por indução para smartphones), local que não é, de todo, o mais visível, funcional ou acessível, obrigando o condutor a abandonar as costas do banco e as desviar os olhos da estrada para operá-los.

Já ao volante do C3 Aircross 1.2 PureTech 110 Auto, primeiros comentários para o conhecido motor PureTech de 1,2 litros, que cumpre com brio a sua função, mesmo não fazendo do modelo um velocista, e até pareça menos bem isolado acusticamente que noutros modelos do grupo PSA em que também é utilizado. Mais audível, portanto, para quem segure a bordo, mas sempre suave para um três cilindros, responde com prontidão na generalidade das situações, evolui de forma progressiva e linear, e até “casa” bem com a caixa automática numa utilização familiar ou numa condução mais pacata, embora revelando um senão: frugal a velocidades estabilizadas e moderadas, tende a gastar um mais do que o esperado quando dele se pede um pouco mais, e em cidade nunca consegue ser tão económico quando desejável, sendo notório que a transmissão automática em nada o ajuda neste particular – bem pelo contrário!

A caixa automática de seis relações de origem Aisin agrada pela rapidez e suavidade de funcionamento, embora nem sempre seja tão decidida e inteligente a responder quanto desejável, particularmente nas solicitações mais exigentes, inclusive no modo Sport. O comando manual sequencial, através da alavanca permite obviar esta limitação ajuda, até por estarem os respectivos impulsos orientados no sentido correcto (desmultiplica para trás, reduz para a frente), mas, para mais num modelo tão apontado aos jovens, as patilhas no volante seria uma solução bem vinda, nem que fosse com opção…

A caixa automática de seis velocidades é eficiente, mas os comandos dos modo Sport e Snow não estão no local mais acessível, e as patilhas do volante deviam estar disponíveis, no mínimo, como opção

A caixa automática de seis velocidades é eficiente, mas os comandos dos modo Sport e Snow não estão no local mais acessível, e as patilhas do volante deviam estar disponíveis, no mínimo, como opção

O comportamento, esse, é marcado pelo sempre elevado conforto de marcha, mas, as mais das vezes, também condicionado pelo equipamento pneumático que a Citroën decidiu instalar no C3 Aircross testado: Hankook Kinergy 4S do tipo M+S. É que se, por um lado, há que reconhecer que o desempenho dinâmico até é bastante saudável, sempre honesto e previsível em asfalto, sem adorno excessivo e com movimentos da carroçaria bem controlados, capaz de filtrar eficazmente as irregularidades do piso, o que faz deste um automóvel bastante fácil e agradável de conduzir, não é menos verdade que os pneus em questão são responsáveis por evidentes e evitáveis perdas de motricidade excessivas e uma tendência prematura para a subviragem, além de implicar distâncias de travagem excessivamente longas, mesmo sobre piso seco.

É certo que a opção por pneus mistos representa sempre uma solução de compromisso, destinada a permitir circular em estrada e fora dela, mas o equipamento mencionado não é, de todo, o que mais confiança transmite ao condutor, mesmo entre os do seu género, e menos ainda à chuva, se bem que não acarretando risco excessivo, já que, na maioria das situações, a electrónica tenderá a assumir o comando das operações e a manter tudo sob controlo. Até em seco, estes pneus “escorregam” sempre mais do que o ideal em solicitações mais vigorosas, algo que pode constituir um toque extra de emoção para os mais atrevidos e dotados, mas não é, seguramente, a melhor opção para a maioria, nem está de acordo com os padrões habituais da Citroën num domínio que lhe é, historicamente, e por tradição, bastante caro!

O comportamento em estrada é por demais convincente, na unidade ensaiada, e infelizmente, prejudicado pela qualidade do equipamento de série eleito para a equipar

O comportamento em estrada é por demais convincente, na unidade ensaiada, e infelizmente, prejudicado pela qualidade do equipamento de série eleito para a equipar

No fora de estrada, a altura solo 20 mm mais elevada do que a do C3 (175 mm), e os opcionais controlo electrónico de descidas HDC e controlo de tracção optimizado Grip Control (com os modos de funcionamento Normal, Neve, Areia, Lama e ESP Off, este último disponível apenas até aos 50 km/h, para facilitar os arranques sobre superfícies mais escorregadias), propostos em conjunto por €400, não fazem do C3 Aircross um TT “puro e duro”, nem sequer um 4×4, mas sempre são o garante de algumas aventuras por outros pisos que não o asfalto. Aventuras essas que tenderão a ser tanto mais satisfatórias e prolongadas quanto maior for a perspicácia de quem está o volante para ler o terreno e fazer bom uso dos recursos que tem ao seu dispor para ir superando obstáculos que se lhe deparem e, assim, evoluir no terreno, algo que se processa com uma facilidade que chega a surpreender.

Por tudo isto, e, sobretudo, com um equipamento pneumático mais convincente, o C3 Aircross 1.2 PureTech 110 Auto Shine acaba por revelar-se um dos modelos mais interessantes e apelativos da sua categoria. A estética encanta, a decoração interior também, havendo ainda que contar com um razoável espaço para passageiros e bagagens e um desempenho muito interessante em estrada e fora dela, sendo, por isso este um pequeno SUV em que polivalência e versatilidade não são palavras vãs. Atributos a que deve ser somado um lote razoável de auxiliares de condução, como o alerta de saída involuntária da faixa de rodagem, a travagem autónoma de emergência com alerta de colisão e o sistema de leitura de sinais de trânsito.

Por este conjunto de trunfos, a Citroën pede €22 507 euros, verba que chega aos €26 037 euros no caso da unidade ensaiada, o que, em qualquer dos casos, não é pouco para um modelo desta categoria. Menos mal que o investimento tende a ser compensado por um equipamento de série bastante generoso e, não é de mais relembrá-lo, por um look que tenderá a que esta seja a opção incontornável para muitos dos (cada vez mais…) amantes deste género de proposta.

A altura ao solo mais elevada, e os opcionais Grip Control e HDC, garantem uma evolução no fora de estrada que chega a surpreender

A altura ao solo mais elevada, e os opcionais Grip Control e HDC, garantem uma evolução no fora de estrada que chega a surpreender

Dados Técnicos e Equipamento

Dados Técnicos

Motor
Tipo3 cil. linha transv., diant.
Cilindrada (cc)1199
Diâmetro x curso (mm)75,0×90,5
Taxa de compressão10,5:1
Distribuição2 v.e.c./12 válvulas
Potência máxima (cv/rpm)110/5500
Binário máximo (Nm/rpm)205/1500
Alimentaçãoinjecção directa
Sobrealimentaçãoturbocompressor VGT+intercooler
Dimensões exteriores
Comprimento/largura/altura (mm)4365/1837/1639
Distância entre eixos (mm)2613
Largura de vias fte/trás (mm)1532/1527
Jantes (série-instaladas)7Jx6″ – 7 1/2Jx17″
Pneus (série-instaladas)205/60 – 215/50 (Hankook Kinergy 4S)
Pesos e capacidades
Peso (kg)1203
Relação peso/potência (kg/cv)10,9
Capacidade da mala/depósito (l)410-1289/45
Transmissão
Tracçãodianteira
Caixa de velocidadesautomática de 6+m.a.
Direcção
Tipocremalheira com assistência eléctrica variável
Diâmetro de viragem (m)10,8
Travões
Dianteiros (ø mm)Discos ventilados (n.d.)
Traseiros (ø mm)Discos maciços (n.d.)
Suspensões
DianteiraIndependente, tipo pseudo-MacPherson
TraseiraEixo semi-rígido
Barra estabilizadora frente/trássim/sim
Garantias
Garantia geral2 anos sem limite de km
Garantia de pintura3 anos
Garantia anti-corrosão12 anos
Intervalos entre manutenções25 000 km ou 12 meses

Equipamento de série

Airbag para condutor e passageiro (desligável)
Airbags laterais dianteiros
Airbags de cortina
Controlo electrónico de estabilidade
Cintos dianteiros com pré-tensores e limitadores de esforço
Fixações Isofix
Travagem autonóma de emergência com alerta de colisão frontal
Alerta de transposição involuntária da faixa de rodagem
Sistema de detecção de fadiga do condutor
Sistema de leitura de sinais de trânsito
Ar condicionado automático
Computador de bordo
Banco do condutor regulável em altura
Banco traseiro deslizante, rebatível 60/40
Volante em pele regulável em altura+profundidade
Volante multifunções
Direcção com assistência eléctrica variável
Rádio com leitor mp3+ecrã táctil de 7″+6 altifalantes+entrada USB+função Mirror Screen
Citroën Connect Box+Pack SOS com assistência incluída
Mãos-livres Bluetooth (telefone+streaming áudio)
Sistema de navegação 3D
Vidros eléctricos FR/TR
Vidros traseiros escurecidos
Retrovisores exteriores eléctricos+aquecidos+rebatíveis electricamente
Retrovisor interior electrocromático
Sensores de luz+chuva
Sensores de estacionamento dianteiros+traseiros
Acesso+arranque sem chave
Luzes diurnas por LED
Faróis de nevoeiro com luzes de curva
Cruise-control+limitador de velocidade*
Jantes de liga leve de 16″
Barras de tejadilho em preto brilhante
Sistema de monitorização da pressão dos pneus
Kit de reparação de pneus

Extras da unidade testada

Pintura opaca Branco Natural (€300)
Jantes de liga leve de 17″ (€100)
Ambiente interior Hype Colorado (€750)
Sistema de monitorização do ângulo morto (€550)
Personalização exterior (€400)
Roda suplente de emergência (€120)
Grip Control+Hill Descent Control (€400)
Pack Family 2 (€150 – inclui: banco do passageiro rebatível tipo mesa+ cortinas traseiras+Pack Safety [inclui Travagem Autónoma de emergência com alerta de colisãofrontal+Alerta de atenção do condutor+assistente de máximos+sistema de leitura de sinais de trânsito+Alerta de Transposição Involuntária da Faixa de Rodagem])
Pack Tecno (€760 – inclui: sistema de carregamento sem fios para smartphones+sistema Hi-Fi+Head Up Display+monitor de informação
de 3,5″ a cores)

António de Sousa Pereira

 

0 Comments



Be the first to comment!


Leave a Response

(required)