CompararComparando ...

Aston Martin Rapide E: eléctrico com 610 cv confirmado para o final de 2019

Artigo
Aston Martin Rapide E: eléctrico com 610 cv confirmado para o final de 2019

A Aston Martin acaba de confirmar o lançamento comercial do Rapide E no derradeiro trimestre do próximo ano, aproveitando, ainda, para dar a conhecer algumas das características do seu primeiro modelo de propulsão exclusivamente eléctrica, a produzir na sua nova fábrica de St. Athan, no País de Gales, e que será o seu centro para a electrificação. Desenvolvido em conjunto com a Williams Advanced Engineering, o Rapide E será produzido numa edição especial limitada a não mais do que 155 unidades, sendo o respectivo preço revelado apenas aos que preencherem o formulário que os habilita à respectiva compra.

Um dos principais atributos do modelo será o seu conjunto de baterias de alta tensão, com 800 Volt e 65 kWh de capacidade instalada, composto por mais de 5600 células cilíndricas de iões de lítio e montado no espaço habitualmente ocupado pelo motor 6.0-V12, pela caixa de velocidades e pelo depósito de combustível na convencional versão do Rapide animada por um motor térmico. Um pack que tem por missão alimentar os dois motores que accionam o eixo traseiro, através de um diferencial autoblocante, e que, em conjunto, são capazes de disponibilizar 610 cv de potência e um impressionante binário máximo de 950 Nm, e assim permitir ao Rapide E atingir os 250 km/h de velocidade máxima, e cumprir os 0-100 km/h na casa dos 4,0 segundos, para uma autonomia estimada em mais de 320 km já no ciclo WLTP.

Uma das preocupações da equipa de engenheiros do projecto tem sido o arrefecimento efectivo das baterias e dos motores, por forma a garantir uma performance consistente, com a Aston Martin a garantir que as prestações anunciadas não estão limitadas a uma estreia janela de operação, quando as baterias estão totalmente carregadas, antes serão alcançáveis sempre que ainda possuam carga. Quanto à operação de recarregamento, num carregador de 400 Volt a 50 kW, a taxa é de cerca de 300 km por cada hora de carga, ou de 500 km por cada hora de carga num carregador de 800 Volt a 100 kW ou mais.

A dinâmica, como seria de esperar, tem sido outas das principais preocupações da casa de Gaydon no seu primeiro automóvel exclusivamente eléctrico. O recurso abundante a materiais leves, como o carbono e as fibras e ligas compósitas, tem sido essencial para que sejam alcançados os seus objectivos em termos de redução de peso;, a carroçaria e o fundo do veículo foram aerodinamicamente optimizados e complementados por jantes aerodinâmicas de novo desenho, revestidas por pneus Pirelli P Zero especialmente concebidos para o Rapide E, e capazes de assegurar uma baixa resistência ao rolamento e um ruído reduzido sem hipotecar as suas capacidades dinâmicas.

Tudo isto porque o Rapide E pretende oferecer aos seus condutores os mesmo níveis de desempenho aerodinâmico, de perdas por fricção e de arrefecimento que o convencional Rapide S a gasolina. Daí que um extremo cuidado esteja a ser dispensado, também, aos motores eléctricos e à afinação do châssis, mormente em termos da integração do software, e das taxas das molas e amortecedores.

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    9 − 4 =

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.