CompararComparando ...

Ainda mais desportivo: novo Audi RS 3 no Outono

Artigo
Ainda mais desportivo: novo Audi RS 3 no Outono

Está de regresso ao mercado o Audi RS 3, com a sua mais recente geração a poder ser encomendada, nas versões RS 3 Sportback e RS 3 Sedan, já a partir do presente mês de Julho, para que as primeiras entregas a clientes possam ter início no próximo Outono. Se o motor mantém os 400 cv de potência do seu antecessor, o binário foi incrementado e a capacidade de resposta melhorada, assumindo o desportivo compacto da casa Ingolstadt um carácter ainda mais desportivo também por via de inúmeros melhoramentos substantivos operados neste particular, nos mais variados domínios.

No exterior, é evidente o seu visual mais agressivo, em que se destacam, na frente, a grelha Singleframe de novo desenho, as generosas entradas de ar, o pára-choques de grandes dimensões, uma saída de ar adicional  atrás dos guardas-lamas e, claro, os afilados grupos ópticos por LED oferecidos de série. Em opção, são propostos os faróis do tipo LED Matrix escurecidos, com luzes de circulação diurna digitais, numa disposição de 3×5 segmentos de LED, solução que lhes confere uma aparência inconfundível: quando a função coming home/leaving home está activa, a óptica do lado do passageiro exibe uma bandeira de xadrez, enquanto que a do lado do condutor apresenta, de forma dinâmica, o lettering RS 3 (as duas letras e o número são mostradas de forma sequencial), passando a assumir a bandeira de xadrez de ambos os lados quando o veículo está em marcha.

Para uma aparência mais expressiva concorrem, igualmente, as vias mais largas (33 mm na frente nas duas configurações de carroçaria, 10 mm atrás no caso do RS 3 Sportback), os farolins traseiros por LED com “piscas” dinâmicos, o pára-choques traseiro de novo desenho com difusor integrado (exclusivo desta versão) e as ponteiras de escape ovais. De série, as jantes em liga de 19” contam com braços em “Y”, estando opcionalmente disponíveis umas de cinco raios com design inspirado na competição – sendo importante, neste ponto, referir que o novo RS 3 propõe, pela primeira vez, pneus semi-slick de alta performance, no caso Pirelli P Zero Trofeo R.

No habitáculo também existem diversos elementos específicos que realçam a desportividade do novo RS 3. Por exemplo, o painel de instrumentos totalmente digital Audi virtual cockpit plus de 12,3”, incluído de série, pode exibir o conta-rotações na forma de um gráfico de barras, e a potência e o binário debitados em percentagem, além de oferecer ecrãs que indicam as forças g, os tempos por volta, ou os valores obtidos nas acelerações 0-100 km/h, 0-200 km/h, quarto de milha e oitavo de milha. Sendo que o indicador de passagem de caixa, quando a transmissão é comandada no modo manual, altera a cor do mostrador do conta-rotações de verde para amarelo, e depois para vermelho, ao melhor estilo dos automóveis de competição.

Já o ecrã táctil de 10,1” inclui o chamado RS Monitor, onde são mostradas informações como a temperatura do líquido de refrigeração, do motor e da transmissão, assim como a pressão dos pneus, ao mesmo tempo que está pela primeira disponível no RS 3 o head-up display, que projecta no pára-brisas informações importantes para o condutor, assim como o indicador de passagem de caixa. Outros elementos a ter em conta no interior, a moldura do painel de instrumentos em fibra de carbono; os bancos desportivos com logótipo RS bordado e costuras contrastantes (em opção em pele, com costuras contrastantes em preto, vermelho ou verde); e o volante multifunções de três braços RS Sport, com patilhas de comando da caixa em zinco fundido e botão para selecção dos modos de condução RS Performance, RS Individual ou o último modo utilizado.

No capítulo da mecânica, o novo RS 3 recorre a vários elementos já conhecidos de outras propostas desportivas do Grupo VW, como os novos VW Golf R (saiba mais aqui) e Cupra Formentor VZ5 (saiba mais aqui), embora seja de todos o mais potente. Sob o capot está o cinco cilindros em linha de 2,5 litros turbocomprimido, que mantém os 400 cv da anterior geração, mas com um incremento do binário de 20 Nm (agora de 500 Nm, e disponível de forma constante entre as 2250-5600 rpm), além de ter recebido uma electrónica revista, para uma mais rápida resposta ao acelerador, tendo acoplada uma caixa pilotada de dupla embraiagem e sete velocidades, que transmite a potência às rodas através de um sistema de tracção integral. Com tudo isto, os 0-100 km/h cumprem-se em 3,8 segundos, estando a velocidade máxima limitada a 250 km/h, embora, com o opcional pacote RS Dynamic, e os travões dianteiros cerâmicos de 380 mm, também opcionais, o limitador passe a estar colocado aos 280 km/h (o RS 3 monta, de série, discos de aço, com 375 mm de diâmetro na frente e 310 mm atrás, os dianteiros actuados por pinças de seis pistões).

Não menos importante, o facto de o novo RS 3 ser o primeiro Audi a montar de série o repartidor de binário traseiro de nova geração, já conhecido do Golf R, em que anterior diferencial autoblocante posterior, a cargo de uma embraiagem multidiscos, dá lugar a duas embraiagens multidiscos controladas electronicamente, cada qual instalada no seu semi-eixo. Na prática, nas solicitações mais intensas, é enviado mais binário para a roda exterior da curva, o que reduzirá substancialmente a tendência para a subviragem, sendo a repartição idêntica para as duas rodas em linha recta.

É esta solução que permite, igualmente, usufruir de derivas do eixo traseiro, quando seleccionado o novo modo de condução RS Torque Rear, aquele em que o sistema adopta uma curva de binário específica, e envia todo o binário apenas para uma das rodas traseiras, até um máximo de 1750 Nm por roda. Já para uma utilização em circuito está disponível o modo RS Performance, que adopta uma configuração própria para o motor e caixa de velocidades, com o intuito de melhor se adaptar a uma condução nos limites e aos pneus semi-slick, com as menores subviragem e sobreviragem possíveis.

Quanto à suspensão, rebaixada 10 mm face à do S3, e 25 mm por comparação com a do A3 “normal”, dispõe de molas e amortecedores mais firmes, estes últimos desenvolvidos exclusivamente para o novo RS 3, para tal contando com um sistema de válvulas específico, que garante uma resposta particularmente imediata em compressão e extensão – sendo a suspensão com amortecimento adaptativo RS plus uma opção. O camber aumentou praticamente meio grau face ao modelo anterior, para um maior controlo lateral e uma resposta mais precisa da direcção, esta contando com desmultiplicação variável e assistência progressiva em função da velocidade.

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.