CompararComparando ...

Ao volante do novo Renault Clio. Chega em Setembro

Artigo
Ao volante do novo Renault Clio. Chega em Setembro

Portugal, mais concretamente a regi√£o de √Čvora, foi o local escolhido pela Renault para dar a conhecer √† imprensa mundial o novo Clio, modelo que iniciar√° a sua carreira comercial no nosso pa√≠s em meados de Setembro. Originalmente lan√ßado em 1990, este √© um verdadeiro √≠cone do mercado autom√≥vel europeu, em geral, do segmento dos utilit√°rios, em particular, e muito especialmente de mercados como o portugu√™s: com mais de 15 milh√Ķes de unidades vendidas ao longo que quase tr√™s d√©cadas de carreira, √©, h√° muito, o modelo mais vendido da Renault a n√≠vel mundial, e o autom√≥vel franc√™s mais vendido no planeta; o l√≠der do segmento B a n√≠vel europeu desde 2013; o segundo autom√≥vel mais vendido na Europa; e, historicamente, um dos mais populares no mercado luso.

√Č, pois, inequ√≠voca a import√Ęncia do Clio V para a marca do losango, que volta a apostar em propor um utilit√°rio seguro (j√° recebeu a classifica√ß√£o de cinco estrelas nos testes do Euro NCAP) e adaptado √†s exig√™ncias do seu tempo, que a Renault classifica como o melhor Clio de sempre e desenvolveu segundo o lema ‚ÄúEvolu√ß√£o & Revolu√ß√£o‚ÄĚ. Para tal, e por ordem cronol√≥gica, foram, tamb√©m, recuperados das anteriores gera√ß√Ķes trunfos como: o recurso a solu√ß√Ķes tecnol√≥gicas por norma apenas dispon√≠veis em propostas de segmentos superiores; a adop√ß√£o de elevados padr√Ķes de habitabilidade e conforto; o aumento do n√≠vel da qualidade percebida; a aposta num estilo marcante, e que, no seu antecessor, acabou por ser transporta para toda a gama da casa de Billancourt, assim acabando por se tornar numa sua imagem de marca.

Neste particular, a pr√≥pria Renault assume que, n√£o obstante todos os pain√©is da carro√ßaria serem novos, o design do Clio V constituiu uma evolu√ß√£o do do modelo ainda em comercializa√ß√£o, que as altera√ß√Ķes operadas pretenderam tornar mais actual e din√Ęmico, mas de molde a que o modelo fosse de imediato reconhecido como um Clio. A evolu√ß√£o faz-se sentir, particularmente, na sec√ß√£o dianteira, em que destacam elementos como as nervuras no capot; a grelha de maiores dimens√Ķes, o p√°ra-choques com abertura central, ou as √≥pticas integralmente por LED com o c√©lebre formato em ‚ÄúC‚ÄĚ (de s√©rie em todas as vers√Ķes).

Com 4050 mm de comprimento, 1798 de largura, 1440 mm de altura e 2583 mm de dist√Ęncia entre eixos, o Clio V √© mais curto 14 mm, e mais baixo 30 mm, do que o seu antecessor, ganhando, tamb√©m por isso, um ar mais atl√©tico e uma superior efic√°cia aerodin√Ęmica, para que contribuem igualmente, por exemplo, os deflectores de ar presentes nas cavas das rodas, o que acontece pela primeira vez neste modelo. De notar, ainda, a moldura cromada das janelas, os puxadores das portas traseiras dissimulados, os farolins traseiros por LED tamb√©m com nova assinatura luminosa, mais uma vez em forma ¬ęC¬Ľ, e a terceira luz de stop, mais longa e mais fina, colocada sobre o √≥culo traseiro. De referir, por fim, que o Clio V √© o √ļnico modelo do seu segmento a oferecer uma ilumina√ß√£o exterior totalmente por LED.

Muito mais evidentes, e profundas, são as melhorias introduzidas no habitáculo, em que se pode considerar que foi operada uma quase revolução, em termos de qualidade como de ergonomia, e até de decoração. Mas, antes disso, é forçoso sublinhar que, apesar de mais compacto, o Clio anuncia uma habitabilidade mais generosa do que o seu antecessor, algo que não foi difícil confirmar num primeiro contacto com o modelo, merecendo especial referência a liberdade de movimentos de que gozam os passageiros traseiros, inclusive no que diz respeito ao sempre sensível espaço disponibilizado às respectivas pernas.

Quanto √† mala, al√©m de oferecer um acesso mais uniforme, e um piso amov√≠vel, viu a sua capacidade aumentar de 331 litros no Clio IV para os actuais 391 litros, ampli√°veis at√© um m√°ximo de 1069 litros, mediante o rebatimento assim√©trico do banco traseiro. Os cuidados aqui dispensados foram ao ponto de, nas vers√Ķes equipadas com o sistema de som Bose, o subwoofer estar integrado no painel lateral da bagageira, por forma a n√£o condicionar a respectiva volumetria.

Not√≥rio, de igual modo, no habit√°culo, o acr√©scimo da qualidade efectiva e percebida. As superf√≠cies revestidas por materiais macios aumentaram 25% (em particular nas zonas com as quais os ocupantes contactam mais frequentemente, como o tablier, os pain√©is interiores das portas ou a consola central), os pilares dianteiros s√£o revestidos a tecido, e a verdade √© que o ambiente a bordo √© bem mais acolhedor, para o que tamb√©m contribui o design interior mais evolu√≠do, apelativo e funcional ‚Äď at√© porque o somat√≥rio dos espa√ßos de arruma√ß√£o passou de 22 litros para 26 litros, o melhor valor da classe.

Já o posto de condução é muito bom: felizmente, mais baixo do que o habitual, logo nos primeiros momentos nota-se que a decisão dos técnicos franceses, de tornar mais estreita a coluna de direcção, traduz-se num maior desafogo para as pernas de quem segue ao volante. Ao mesmo tempo, a instalação de um airbag mais compacto permitiu adoptar um volante mais pequeno, e com óptima pega, que não só integra novos e mais comandos retroiluminados, que permitem controlar tudo o que é essencial à tarefa da condução, como garante uma melhor visibilidade do painel de instrumentos.

Ainda neste capítulo, menção para a nova consola central elevada, que cria uma maior envolvência e permite colocar em posição mais acessível a alavanca (mais curta) de comando da caixa de velocidades. E também para os bancos, inspirados nos de modelos de segmentos superiores: a par de um assento 15 mm mais comprido, que melhora o apoio das pernas graças, oferecem um superior apoio lateral, contam com encostos de cabeça de novo formato, o que aumenta a visibilidade traseira, e, por disporem de uma armação oca, são mais finos do que anteriormente, assim incrementando o espaço para pernas atrás.

A vertente tecnol√≥gica √© mais uma das √°reas em que o novo Cio evoluiu significativamente. O painel de instrumentos passa a ser totalmente digital e personaliz√°vel em todas as vers√Ķes, com 7‚ÄĚ nas mais acess√≠veis, e com 10‚ÄĚ nas mais dotadas ‚Äď este √ļltimo dispon√≠vel a partir do final do ano, e disponibilizando ainda mais informa√ß√£o, nomeadamente a relativa √† navega√ß√£o. J√° o sistema de infoentretenimento recorre a um ecr√£ de 7‚ÄĚ, montado horizontalmente, ou a um verdadeiro tablet de 9,3‚ÄĚ instalado na vertical, inspirado no do Espace e senhor de uma √≥ptima visibilidade em todos as condi√ß√Ķes de luminosidade e incid√™ncia da luz solar.

Como n√£o podia deixar de ser, nos tempos que correm, o Clio V √©, tamb√©m, profusamente personaliz√°vel, desde logo oferecendo oito ambientes interiores, que podem ser complementados com elementos coloridos. √Č o caso da consola central (cujo rebordo exterior at√© pode contar com anima√ß√£o luminosa), do painel de bordo, dos pain√©is de portas, do volante e dos apoios de bra√ßos, a que se junta a ilumina√ß√£o ambiente com uma paleta de oito cores.

Ao novo Clio cabe, igualmente, inaugurar a in√©dita linha de equipamento e acabamentos R.S. Line, inspirada pela Renault Sport, sucessora da anterior GT-Line e que se estender√° a toda a gama da Renault. Caracteriza-se pela ‚Äúl√Ęmina‚ÄĚ F1 exterior, conhecida das vers√Ķes R.S., pelas jantes em liga espec√≠ficas de 17‚Äô‚Äô, pelos bancos com maior apoio lateral, pelas aplica√ß√Ķes em carbono, pelo exclusivo em pele perfurada com assinatura R.S, pela pedaleira em alum√≠nio e pelos elementos de personaliza√ß√£o vermelhos, combinados com os pespontos dos bancos e do volante na mesma cor. ¬†De regresso est√° a vers√£o Initiale Paris, com elementos cromados exteriores (molduras das janelas, prote√ß√Ķes inferiores das portas e grelha frontal), emblemas identificativos na grelha e sobre as cavas das rodas dianteiras, jantes espec√≠ficas de 17‚ÄĚ, bancos em couro exclusivos e volante em couro espec√≠fico ‚Äď sendo para o habit√°culo propostos os ambientes em preto ou cinzento.

Mas há mais a comprovar que o Clio V inaugura um novo ciclo para a própria Renault, materializando o seu programa Drive the Future, para 2017-2022, assente em três pilares fundamentais: electrificação (22 modelos electrificados até 2022); conectividade (todos os modelos à venda nos principais mercados dotados de conectividade); condução autónoma (15 modelos equipados com tecnologias de condução autónoma até 2022). A estreia da plataforma modular CMF-B, com uma nova arquitectura eléctrica e electrónica, visa alcançar tal desiderato.

Composta por 85% de pe√ßas novas, por compara√ß√£o com a utilizada pelo Clio da anterior gera√ß√£o, permite reduzir o peso do modelo em at√© 50 kg, inclui um fundo carenado, para melhor desempenho aerodin√Ęmico e superior isolamento ac√ļstico, e recorrer a maior quantidade de a√ßo de elevad resist√™ncia, para incrementar a seguran√ßa. J√° a tal arquitectura el√©ctrica e electr√≥nica garante tanto a introdu√ß√£o de evolu√≠dos sistemas de assist√™ncia ao condutor, como a disponibiliza√ß√£o de vers√Ķes electrificadas, sendo o Clio V o primeiro modelo da Renault a contar com uma deriva√ß√£o h√≠brida, animada por uma motoriza√ß√£o in√©dita, desenvolvida pela pr√≥pria marca francesa, a lan√ßar no pr√≥ximo ano.

At√© l√°, a gama de motores ser√° composta por quatro op√ß√Ķes a gasolina e duas Diesel. No primeiro caso, a oferta inicia-se com o tr√™s cilindros de 999 cc, proposto em duas deriva√ß√Ķes atmosf√©ricas SCe: uma com 65 cv, e outra com 75 xv, ambas com 95 Nm de bin√°rio m√°ximo e dotadas de caixa manual de seis velocidades. Este mesmo bloco, na sua declina√ß√£o turbocomprimida TCe, oferece 100 cv e 160 Nm (mais 20 cv e 20 Nm do que o anterior TCe 90), tendo acoplada uma caixa manual de cinco velocidades, que, mais tarde, poder√°, em op√ß√£o, dar lugar a uma caixa autom√°tica X-Tronic.

No topo da oferta estará, por ora, o quatro cilindros turbo de 1,3 litros do Clio TCe 130, com 130 cv de potência e um binário máximo de 240 Nm, sempre combinado com a caixa pilotada EDC de dupla embraiagem e sete velocidades. De salientar que o motor TCe 100 também será disponibilizado numa variante bifuel apta a consumir GPL.

Quanto √†s op√ß√Ķes a gas√≥leo Blue dCi, ambas assentam no conhecido bloco turbodiesel de 1,5 litros, dispon√≠vel em dois n√≠veis de pot√™ncia: 85 cv e 220 Nm, e 115 cv e 260 Nm. A caixa √© manual de seis velocidades, e ambas contam com filtro de part√≠culas e catalisador de redu√ß√£o selectiva SCR.

Na apresenta√ß√£o internacional do novo Clio foi possivel cumprir cerca de duas centenas de quil√≥metros nos mais variados tipos de estradas, em partes iguais dividos pelas vers√Ķes TCe 100 e TCe 130. Em ambos os casos, nota mais para o eficaz comportamento em curva, para a elevada estabilidade a alta velocidade e para um conforto de marcha digno de registo, mesmo em pisos menos bem conservados, honrando assim o modelo a escola francesa neste particular, e os pr√≥prios pergaminhos que o seu construtor det√©m nesta mat√©ria.

A direc√ß√£o directa e bem calibrada, e o bom isolamento ac√ļstico, refor√ßado ainda pela efici√™ncia aerodin√Ęmica, unem-se √†s suspens√Ķes revistas e reafinadas para garantir uma experi√™ncia de condu√ß√£o gratificante e de n√≠vel superior. Nos tra√ßados mais sinuosos, sobretudo se cumpridos a ritmos mais intensos, o Clio V prima ainda pelas reac√ß√Ķes prontas e por uma apreci√°vel agilidade, oferecendo uma envolv√™ncia ao volante digna de enc√≥mios. Tendo ao seu condutor o selector de modos de condu√ß√£o Multi Sense, com as op√ß√Ķes Eco, Sport e MySense, este √ļltimo personaliz√°vel.

O evento serviu, ainda, para proporcionar aos jornalistas uma pequena experi√™ncia de alguns dos sistemas de aux√≠lio √† condu√ß√£o propostos pelo novo Clio, nalguns casos in√©ditos na oferta da Renault. Aqui se incluindo o cruise control adaptativo com fun√ß√£o stop&go, combinado com o assistente de manuten√ß√£o na faixa de rodagem (dispon√≠vel no CZlio TCe 130 a partir do final do ano); o assistente de m√°ximos; a travagem aut√≥noma de emerg√™ncia com detec√ß√£o de pe√Ķes e ciclistas; ¬†a monitoriza√ß√£o do √Ęngulo morto; o sistema de leitura de sinais de tr√Ęnsito com alerta de excesso de velocidade; o alerta de sa√≠da involunt√°ria da faixa de rodagem; a c√Ęmara panor√Ęmica de 360¬į; e o sistema de estacionamento autom√°tico.

Quanto ao futuro, a grande expectativa relativamente ao novo Clio reside, como √© natural, na vrs√£o h√≠brida a lan√ßar no pr√≥ximo ano, animada pelo in√©dito grupo motopropulsor E-Tech, que combina um motor 1.6 a gasolina de ciclo Atkinson com dois motores el√©ctricos e uma bateria de i√Ķes de l√≠tios com 1,2 kWh de capacidade ‚Äď e ser√° lan√ßado numa deriva√ß√£o h√≠brida plug-in no Captur. N√£o sendo ainda muitos os detalhes disponibilizados pela Renault relativos a esta motoriza√ß√£o, os especialistas da marca presentes em √Čvora sempre foram adiantando que o objectivo √© que o Clio h√≠brido, em cidade, funcione 80% do tempo no modo exclusivamente el√©ctrico, aquele que √© sempre utilizado no arranque.

Quanto aos motores el√©ctricos, existem um mais potente e de maiores dimens√Ķes, destinado a mover o pr√≥prio ve√≠culo, e um outro, mais pequeno, que funciona como alternador/motor de arranque, e que gere as trocas de mudan√ßa da caixa de velocidades mec√Ęnica de quatro velocidades, quer operando o respectivo selector, quer assegurando a sincronizando a velocidade de rota√ß√£o dos seus veios com a do volante do motor. Ali√°s, a transmiss√£o ser√£o mesmo um dos segredos desta solu√ß√£o, j√° que combinando as quatro rela√ß√Ķes da caixa com as duas el√©ctricas, a Renault garante a disponibiliza√ß√£o de quinze combina√ß√Ķes poss√≠veis de rela√ß√£o de transmiss√£o.

O futuro dirá da competência do primeiro híbrido da Renault. Antes disso, a chegada do novo Clio a Portugal será abrilhantada por uma edição especial de lançamento (muito) limitada e numerada, de que apenas serão produzidos cinquenta exemplares, denominada Edition 1 e desenvolvida com base no nível de equipamento R.S. Line.

Qual é a sua reação?
Excelente
100%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
N√£o gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Coment√°rios
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

5 × 1 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como s√£o processados os dados dos coment√°rios.