CompararComparando ...

Kia Sportage 1.6 CRDi MHEV 7DCT GT Line

Artigo
Kia Sportage 1.6 CRDi MHEV 7DCT GT Line

Visão geral
Marca:

Kia

Modelo:

Sportage

Versão:

1.6 CRDi MHEV 7DCT GT Line

Ano lançamento:

2019

Segmento:

SUV

Nº Portas:

5

Tracção:

Dianteira

Motor:

1.6 Diesel

Pot. máx. (cv/rpm):

136/4000

Vel. máx. (km/h):

180

0-100 km/h (s):

11,8

Consumos (l/100 km):

5,8 (Combinado WLTP)

CO2 (g/km):

153 (Combinado WLTP)

PVP (€):

34 590/35 080 (Unidade testada)

Gostámos

Equilíbrio global, Consumos comedidos, Preço, Equipamento, Conforto, Espaço e mala, Garantia

A rever

Prestações e consumos face à versão "normal"

Nosso Rating
Rating Leitor
Para avaliar, registe-se ou inicie sessão
Qualidade geral
8.0
Interior
8.0
Segurança
8.0
Motor e prestações
8.0
Desempenho dinâmico
7.0
Consumos e emissões
8.0
Conforto
8.0
Equipamento
8.0
Garantias
9.0
Preço
7.0
Se tem pressa...

Agora com tecnologia mild hybrid, a evolução regista pelo Kia Sportage CRDi MHEV 7DCT GT Line pode não ser extraordinária, e menos ainda muito notória para o utilizador comum, mas nem por isso o SUV compacto da marca sul-coreana deixa de ser uma das melhores propostas da sua categoria, reunindo um invejável leque de atributos, que tornam este num automóvel muito equilibrado, a que se juntam um preço e um equipamento de série extremamente apetecíveis

7.9
Nosso Rating
Rating Leitor
You have rated this
Velocidade máxima anunciada (km/h) 180
Acelerações (s)
0-100 km/h 10,6
0-400 m 17,6
0-1000 m 32,5
Recuperações 60-100 km/h (s)
Em D 5,8
Recuperações 80-120 km/h (s)
Em D 7,7
Distância de travagem (m)
100-0 km/h 35,5
Consumos (l/100 km)
Estrada (80-100 km/h) 4,8
Auto-estrada (120-140 km/h) 6,7
Cidade 7,8
Média ponderada (*) 6,98
Autonomia média ponderada (km) 831
(60% cidade+20% estrada+20% AE)
Medidas interiores (mm)
Largura à frente 1460
Largura atrás 1410
Comprimento à frente 1150
Comprimento atrás 780
Altura à frente 970
Altura atrás 930

Não deixarão os mais atentos de fazer notar que o Kia Sportage CRDi MHEV 7DCT GT Line protagonista deste ensaio, versão de topo da respectiva gama, não difere muito do seu “irmão” com nível de equipamento TX e caixa manual, avaliado pela Absolute Motors há pouco menos de um ano atrás (e cujo teste pode ser consultado aqui. Mas não existirem muitas diferenças não significa que estas não sejam de monta, para mais quando em causa está a “electrificação” do motor que o anima, por sinal a unidade Diesel mais “ecológica” alguma vez produzida pela marca sul-coreana, dotada que passou a estar de um alternador/motor de arranque integrado, e de um sistema eléctrico de 48 Volt (solução baptizada pela Kia como B-ISG) – argumento que, obviamente, visou aumentar a sua eficiência de combustível, atributo tão definitivo nos tempos que correm.

Excepto isto, o que, volte a sublinhar-se, não é pouco (tanto mais que a anterior versão convencional deste propulsor deixou, entretanto, de fazer parte da oferta do SUV compacto da casa de Seul), não são, de facto, significativas as alterações entre os dois modelos. Que é o mesmo que dizer que, por exemplo, no exterior, mantém-se intocado o visual moderno e apelativo com que o Sportage passou a contar desde a sua mais recente actualização, e em que sobressaem as aplicações cromadas nos pára-choques, a grelha de novo desenho e os farolins traseiros retocados – a que se juntam, no nível de equipamento GT Line, as elegantes jantes de 19” e os originais faróis de nevoeiro por LED, denominados “ice cube”.

LInhas modernas apelativas, que não sofreram alteração com a introdução do motor 1.6 turbodiesel com tecnologia mild hybrid

LInhas modernas apelativas, que não sofreram alteração com a introdução do motor 1.6 turbodiesel com tecnologia mild hybrid

No interior, e face ao já conhecido, o que, porventura, maior destaque merece é a inclusão no equipamento de série GT Line do revestimento em pele dos bancos, elemento sempre capaz de conferir um outro requinte e conforto a bordo. De resto, são argumentos do Sportage, neste particular, a generosa habitabilidade, à frente como atrás (o banco traseiro continua a dispor de regulação da inclinação das costas); uma bagageira ampla, cuja capacidade varia entre 439-1428 litros (nota mais para as fixações na base dos painéis laterais traseiros, para fixação da chapeleira quando se pretende fazer uso da totalidade do espaço disponível para bagagens); um posto de condução elevado, mas correcto;  e uma apreciável qualidade geral, em que se combinam materiais de bom nível com alguns plásticos duros, mas em que o rigor da montagem e a perfeição dos acabamentos acabam por ser decisivos para um resultado final muito convincente, que a quase ausência de ruídos parasitas acaba por confirmar.

Qualidade geral de bom nível, habitabilidade generosa e equipamento de série muito completo

Feita a súmula, nada como avaliar, então, o que, de facto, caracteriza em definitivo o Sportage CRDi MHEV 7DCT GT Line: o seu motor turbodiesel 1.6 CRDi com 136 cv e um binário máximo de 320 Nm, constante entre as 2000-2250 rpm. É, exactamente, o mesmo rendimento disponibilizado pela sua anterior derivação com motor de arranque, alternador e sistema eléctrico convencionais, pelo que não se esperariam grande diferenças entre ambos ao nível das prestações.

O que se confirma: apesar de os registos alcançados nas nossas medições serem ligeiramente favoráveis à versão MHEV nas acelerações, é difícil, sem uma comparação directa, concluir se os mesmos se devem ao auxílio que o sistema B-ISG dá ao motor térmico nos arranques, ou ao diferente desempenho da caixa pilotada 7DCT de dupla embraiagem e sete relações, face à manual de seis velocidades. Já os consumos continuam a ser um forte argumento deste SUV, até pelo contributo adicional dado, especialmente em condução urbana, quer pelo sistema start&stop, por passar a actuar logo a partir dos 30 km/h, quer pelo B-ISG, a coadjuvar o motor de combustão nos arranques.

Temos, pois, neste particular, valores praticamente iguais aos da anterior versão CRDi com caixa manual em estrada e auto-estrada (sendo expectável fiquem abaixo dos desta quando combinado o novo motor também com a caixa manual), e muito ligeiramente mais elevados em cidade, o que se explica pelo recurso à transmissão automática. Certo é que, numa utilização convencional mista, não é difícil obter médias abaixo de 7,0 l/100 km, que tenderão a registar valores liminarmente abaixo dos 8,5 l/100 km quando se impõem ritmos mais intensos.

O motor 1.6 CRDi MHEV de 136 cv prima por combinar prestações interessantes com óptimos consumos

O motor 1.6 CRDi MHEV de 136 cv prima por combinar prestações interessantes com óptimos consumos

Resumindo, este é um motor que continua a revelar um excelente equilíbrio entre disponibilidade para corresponder às solicitações do acelerador, prestações de bom nível e consumos frugais, e que prima, ainda, por uma apreciável suavidade de funcionamento – com o bom isolamento acústico do habitáculo a garantir, por seu turno, que apenas se torna audível para os ocupantes em situações de maior esforço, ou quando a funcionar na zona mais elevada do conta-rotações. A caixa de velocidades poderá não ser a mais rápida do mercado quando se pretende imprimir uma toada mais intensa e exigente, mas, para ajudar a obviar essa característica, lá estão as patilhas no volante para antecipar as reduções quando necessário,  já que o sistema seleciona sempre a relação seguinte quando é atingido o regime máximo de funcionamento do motor.

A par de tudo isto, quem segue ao volante do Sportage CRDi MHEV 7DCT GT Line tem, igualmente, ao seu dispor os modos de condução Normal e Sport, com o segundo a garantir uma resposta mais célere da mecânica, mas cuja intervenção é mais evidente no que à caixa pilotada diz respeito do que, propriamente, no caso do motor. Seja como for, este é um automóvel que convence pelo seu comportamento bastante equilibrado, pautado por reacções sempre honestas e previsíveis – e se a afinação macia da suspensão se traduz num razoável adornar em curva em situações mais exigentes, mas sem que os movimentos da carroçaria deixem de ser bem controlados, é inquestionável que os dividendos são pagos no capítulo do conforto, por degradado que seja o piso sobre o qual se circule.

O desempenmho dinâmico é bastante equilibrado, combinando reacções honestas e previsíveis com um excelente conforto de marcha, assim dando um contributo determinante para uma condução fácil e muito agradável

O desempenmho dinâmico é bastante equilibrado, combinando reacções honestas e previsíveis com um excelente conforto de marcha, assim dando um contributo determinante para uma condução fácil e muito agradável

De forma sucinta, pode afirmar-se ser o Sportage CRDi MHEV 7DCT GT Line um SUV na verdadeira acepção do termo, o qual, desde a chegada do XCeed (em que se combinam uma imagem aventureira com um desempenho bem mais “estradista”), tem ainda mais condições para desempenhar tal papel na oferta da Kia. Mesmo que a ausência de tracção integral, e o recurso a pneus nitidamente vocacionados para uma utilização em asfalto, condicionem as suas ambições para pisar outros terrenos que não o alcatrão, a verdade é que, neste segmento, é a proposta da marca com maiores capacidades para se aventurar pelo fora de estrada, graças a uma razoável altura ao solo e à presença do sistema HDC de controlo electrónico de descidas.

A somar a todos estes atributos, o posicionamento comercial: graças à campanha comercial criada pela Kia para o seu SUV compacto, o Sportage CRDi MHEV 7DCT GT Line é proposto em Portugal por uns praticamente imbatíveis €34 590. Verba que, ainda para mais, é acompanhada por um muito completo equipamento de série, inclusive no que aos sistemas avançados de assistência à condução diz respeito. A dispensa da caixa 7DCT (só disponível no nível GT Line) traduz-se num abatimento de €1000; a menos recheada variante Tech é proposta a partir de €28 590.

Motor
Tipo 4 cil. linha Diesel, transv., diant.
Cilindrada (cc) 1598
Diâmetro x curso (mm) 77,0x85,8
Taxa de compressão 16,0:1
Distribuição 2 v.e.c./16 válvulas
Potência máxima (cv/rpm) 136/4000
Binário máximo (Nm/rpm) 320/2000-2250
Alimentação injecção directa common-rail
Sobrealimentação turbo+intercooler
Dimensões exteriores
Comprimento/largura/altura (mm) 4495/1855/1645
Distância entre eixos (mm) 2670
Largura de vias fte/trás (mm) 1625/1636
Jantes – pneus 8JX19″ – 245/45 (ontinental ContiSportContact5)
Pesos e capacidades
Peso (kg) 1530
Relação peso/potência (kg/cv) 11,25
Capacidade da mala/depósito (l) 439-1428/58
Transmissão
Tracção dianteira
Caixa de velocidades Pilotada de dupla embraiagem de 7+m.a.
Direcção
Tipo cremalheira com assistência eléctrica variável
Diâmetro de viragem (m) 11,4
Travões
Dianteiros (ø mm) Discos ventilados (320)
Traseiros (ø mm) Discos maciços (302)
Suspensões
Dianteira McPherson
Traseira Multibraços
Barra estabilizadora frente/trás sim/sim
Garantias
Garantia geral 7 anos ou 150 000 km
Garantia de pintura 5 anos
Garantia anti-corrosão 12 anos
Intervalos entre manutenções 30 000 km ou 24 meses

Airbag para condutor e passageiro (desligável)
Airbags laterais dianteiros
Airbags de cortina
Controlo electrónico de estabilidade
Controlo electrónico de descidas (HDC)
Assistente aos arranques em subida
Sistema de travagem autónoma de emergência com alerta de colisão frontal
Sistema de monitorização do ângulo morto
Sistema de assistência à manutenção na faixa de rodagem
Cintos dianteiros com pré-tensores+limitadores de esforço
Fixações Isofix
Ar condicionado automático bizona
Computador de bordo
Cruise control+limitador de velocidade
Travão de estacionamento eléctrico
Bancos em pele com costuras vermelhas
Bancos dianteiros com regulação em altura+apoio lombar
Banco traseiro rebatível 60/40
Volante em pele regulável em altura+profundidade
Volante multifunções
Pedaleira em alumínio
Sistema de infoentretenimento com ecrã táctil de 8″+leitor de mp3+entradas USB/Aux+sistema de som JBL
Mãos-livres Bluetooth
Sistema de navegação
Sensores de estacionamento FR/TR+câmara de estacionamento traseira 360°
Vidros eléctricos FR/TR
Vidros traseiros escurecidos
Retrovisores exteriores eléctricos+aquecidos+rebatíveis electricamente
Retrovisor interior electrocromático
Acesso+arranque sem chave
Ópticas dianteiras integralmente por LED
Faróis de nevoeiro por LED
Sensor de luz+chuva
Jantes de liga leve de 19"
Sistema de monitorização da pressão dos pneus
Roda suplente de emergência
Barras de tejadilho

Pintura metalizada (€490)

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

4 + 7 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.