CompararComparando ...

Novo Ford Kuga em Portugal desde €31 923. O mais electrificado

Artigo
Novo Ford Kuga em Portugal desde €31 923. O mais electrificado

O novo Kuga é anunciado pela Ford como o seu modelo mais electrificado de sempre, desde logo por contar na respectiva oferta com três opções híbridas, uma delas plug-in – a que se juntam as mais convencionais variantes a gasolina e Diesel. Já disponível para encomenda no nosso país, a mais recente geração do SUV compacto da marca da oval azul, o seu terceiro modelo mais vendido na Europa, aposta, ainda, numa estética diferenciadora e num reforço substancial da sua dotação em ternoss de sistemas avançados de assistência ao condutor, com a gama articular-se entre os níveis de equipamento Titanium, ST-Line e ST-Line X.

Visualmente, um dos maiores atributos do novo Kuga é adoptar linhas mais simples, dinâmicas e consensuais, que lhe conferem uma silhueta mais elegante. Depois, a sua aparência exterior varia consoante o nível de equipamento e acabamentos em questão, com o Titanium a destacar-se, entre outros, pela protecção inferior dianteira, pelo difusor traseiro, pelas caixas dos espelhos, pelos frisos laterais e pelos puxadores das portas na cor da carroçaria; pelas luzes diurnas por LED; e pelas jantes em liga de 17” (de 19” opção). Já o ST-Line é identificado pelos pára-choques e saias laterais na cor da carroçaria; pela grelha, pela protecção inferior dianteira, pelo difusor traseiro e pelas barras tejadilho com acabamento em preto; pelo deflector posterior de maiores dimensões; pelas jantes em liga de 18” (de 19” em opção); pela dupla ponteira de escape; pelo forro de tejadilho preto; pelos bancos ST-Line de desenho exclusivo com costuras contrastantes vermelhas; pela pedaleira alumínio; pelo volante com secção inferior plana, e pelas soleiras das portas com logótipo ST-Line gravado.

Assente numa nova plataforma, com mais 10% de rigidez torsional, e que lhe permitiu perder até 80 kg para versões equivalente, o novo Kuga beneficia, ainda, de uma distância entre eixos mais generosa, que se traduz, naturalmente, numa superior habitabilidade, em particular no que diz respeito ao espaço disponibilizado para as pernas dos ocupantes do banco traseiro – os quais usufruem, ainda, da regulação longitudinal do respectivo assento numa extensão de 150 mm, o que permite, naturalmente, ajustar o mesmo e a capacidade da bagageira às necessidades do momento. Bagageira que não só pode contar com um portão com acesso “mãos-livres”, como passa a dispor de um locar específico para alojar a chapeleira quando se pretende fazer uso de toda a sua capacidade. Outras soluções disponíveis a bordo e merecedoras de referência, o sistema de infoentretenimento Sync 3 com ecrã táctil de 8”; o inédito painel de instrumentos totalmente digital de 12,3”; o sistema de carregamento por indução para smartphones; o sistema de som B&O com 575 Watt, dez altifalantes e subwoofer; e o head-up display.

Entre a oferta de motores, as principais atenções centrar-se-ão, obviamente, nas novas unidades híbridas. Desde logo, no Kuga Plug-In Hybrid, que recorrer a um grupo motopropulsor que combina um motor 2.5 a gasolina de ciclo Atkinson, com um motor eléctrico e uma bateria de iões de lítio com 14,4 kWh de capacidade, para uma potência combinada de 225 cv. Com uma autonomia eléctrica anunciada de 56 km no ciclo WLTP (72 km segundo a norma NEDC), consumos e emissões de CO” a partir de 1,4 l/100 km e 32 g/km, respectivamente, no ciclo WLTP, oferece, também, quatro modos de funcionamento da motorização híbrida: EV Auto, EV Now, EV Later e EV Charge.

Lá mais para o final do ano está agendada a chegada do Kuga Hybrid, um híbrido que faz uso de um motor 2.5 a gasolina de ciclo Atkinson, de um motor eléctrico, de uma bateria de iões de lítio e de uma caixa automática – proposto com  tracção dianteira ou integral, tem consumos e emissões de CO2 previstos de, respectivamente, 5,6 l/100 km e 130 g/km. A terceira opção híbrida da família é o Kuga EcoBlue Hybrid, animado pelo turbodiesel 2.0 TDCi EcoBlue de 150 cv, combinado com um motor de arranque/gerador integrado, e dotado de um sistema eléctrico de 48 Volt, que anuncia, no ciclo WLTP, um consumo desde 5,0 l/100 km, e emissões de CO2 a partir de 132 g/km.

Mas o novo SUV compacto da Ford também é proposto com convencionais motores térmicos, a gasolina como a gasóleo. No primeiro caso temos o Kuga EcoBoost, disponibilizado com duas versões do motor turbo 1.5 EcoBoost (120 cv e 150 cv), ambas contando com injecção directa e indirecta, distribuição variável, filtro partículas – sendo a única unidade de três cilindros do mercado a recorrer a um sistema de desactivação de cilindros. Por fim, o Kuga EcoBlue é animado pelo motor turbodiesel 1.5 TDCi EcoBlue de 120 cv, que de série tem acoplada uma caixa manual de seis velocidades, podendo, em opção, sem combinado com uma caixa automática de oito relações.

A aposta do novo Kuga na tecnologia passa, ainda, pela estreia, neste modelo, do selector de modos de condução, com as opções Normal, Sport, Eco, Slippery e DeepSnow/Sand. Bem como nos sistemas avançados de assistência à condução, caso da travagem autónoma de emergência com detecção de peões e ciclistas e função de cruzamento; do cruise control adaptativo com função função stop&go; do assistento activo à manutenção na faixa de rodagem; do sistema de leitura de sinais de trânsito; da monitorização do ângulo morto; do alerta de tráfego cruzado em marcha-atrás;e do sistema de estacionamento automático.

Referência final para o facto de este ser o primeiro Kuga a contar com a solução FordPass Connect, um hotspot WiFi com capacidade para ter ligados até dez dispositivos. E que, através da App móvel  FordPass, permite aceder a funcionalidades como a localização do veículo; o estado do veículo (permite verificar remotamente, entre outros, o nível de combustível, a carga da bateria, o estado do alarme, a pressão dos pneus ou a vida útil do óleo; ou o trancar e destrancar remoto das portas, para aceder ao veículo à distância; o arranque remoto (só para versões com caixa automática). E ainda, o caso da variante híbrida plug-in, programar os tempos de carregamento preferenciais; pré-definir a climatização em função da hora de partida prevista; aceder aos registos de viagem e de carga; verificar o nível de carga; e localizar pontos de carregamento.

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

7 + 7 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.