CompararComparando ...

Novo Renault Zoe no Outono. Bateria de 52 kWh e 390 km de autonomia

Artigo
Novo Renault Zoe no Outono. Bateria de 52 kWh e 390 km de autonomia

Está agendada para Setembro, o mais tardar para Outubro, a chegada a Portugal da terceira geração do Zoe, sete anos volvidos sobre o lançamento do modelo original. Não obstante ter sido profundamente revisto, por dentro e por fora, o principal destaque vai, naturalmente, para a nova bateria com 52 kWh de capacidade, que permite ao eléctrico gaulês anunciar uma autonomia de 390 km no ciclo WLTP, seja quando animado pelo novo motor R135 de 136 cv, ou pelo anterior R110 de 108 cv, que se mantém em catálogo.

Apesar disso, de recorrer à mesma plataforma do seu antecessor, e de manter inalteradas as dimensões exteriores, o novo Zoe não deixa de ser facilmente identificável logo num primeiro olhar, graças a um carácter mais elegante e afirmativo. O seu elemento mais distintivo é a secção dianteira, dotada de formas mais esculpidas, que convergem em direção losango da marca (agora debruado a azul), atrás do qual está tomada de carregamento da bateria; de pára-choques de novo desenho, com inserções cromadas na grelha inferior e em redor dos faróis nevoeiro; e, especialmente, de uma nova assinatura visual, garantida pelas novas ópticas por LED em forma de “C” com assistente de máximos, incluídas de série em toda a gama, tal como farolins traseiros com piscas dinâmicos.

Não tendo o novo Zoe crescido em nenhum dos sentidos, é de esperar que o espaço destoinado a passageiros e bagagens também não tenha sofrido alterações. O que não significa que não haja novidades a reter no habitáculo: é o caso do novo painel de instrumentos totalmente digital e configurável de 10”, único segmento e proposto de série em todas as versões; do ecrã do sistema de infoentretenimento Easy Link de 9,3” com novas funcionalidades e botões tipo teclas de piano na base (semelhante ao que é possível encontrar no novo Clio); do material mais macio que reveste o tablier; da iluminação interior integralmente por LED; dos revestimentos dos bancos em material totalmente reciclado aplicados na versão Zen; ou das duas tomadas USB disponibilizadas aos ocupantes do banco traseiro.

Nota especial para a nova consola central elevada, totalmente reformulada e com o dobro da capacidade de arrumação. Porque é aqui que se encontra um importante conjunto de outras novidades: o selector de mudanças electrónico; os botões de comando do novo travão de estacionamento eléctrico; e o sistema de carregamento por indução para smartphones.

Já a bateria de iões de lítio de 400 Volt, com 326 kg de peso, tem as mesmas dimensões da anterior de 41 kWh, mas uma superior densidade energética, o que lhe permite oferecer, agora, uma capacidade de 52 kWh, traduzida numa autonomia homologada de 390 km no ciclo WLTP com qualquer dos motores disponíveis, contra os anteriores 300 km. Ao mesmo tempo, o Zoe passa a contar com um sistema de carregamento rápido de corrente contínua de até 50 kW, tornando-se na única proposta do seu segmento a conjugar esta valência com o carregamento de corrente alternada de até 22 kW.

A oferta de motores inclui o já conhecido propulsor R110 do actual modelo, com 108 cv e 225 Nm, a que se junta o novo R135, com 136 cv e 245 Nm. Uma unidade que permite ao novo Zoe cumprir os 0-100 km/h em menos de 10,0 segundos, e a recuperação 80-120 km/h em 7,1 segundos (2,0 segundos menos do que no modelo ainda em comercialização), passando a velocidade máxima a ser de 140 km/h (contra os actuais 135 km/h).

A reter, ainda, a inclusão de um sistema de travagem com discos nas quatro rodas; as jantes de 15”, 16” ou 17” com novos desenhos; e o novo modo de condução B, activável através do selector das mudanças, que se traduz numa maior resistência em desaceleração, similar ao “travão motor” num automóvel equipado com um motor térmico, assim reduzindo a necessidade de utilização do travão, especialmente em meio urbano. Por fim, uma palavra para os auxiliares de condução, com o novo Zoe a dispor de soluções como a monitorização do ângulo morto; o sistema de leitura de sinais de trânsito, o sistema de auxílio aos arranques em plano inclinado; o assistente à manutenção na faixa de rodagem; o alerta de transposição involuntária da faixa de rodagem; a travagem autónoma de emergência; e o sistema de estacionamento automático.

Qual é a sua reação?
Excelente
100%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    13 − 9 =

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.