CompararComparando ...

Opel Grandland X 1.2 Turbo Innovation

Artigo
Opel Grandland X 1.2 Turbo Innovation

Visão geral
Marca:

Opel

Modelo:

Grandland X

Versão:

1.2 Turbo Innovation

Ano lançamento:

2019

Segmento:

SUV

Nº Portas:

5

Tracção:

Dianteira

Motor:

1.2

Pot. máx. (cv/rpm):

130/5550

Vel. máx. (km/h):

188

0-100 km/h (s):

10,1

Consumos (l/100 km):

4,9-4,8/5,3-5,2/6,1-6,1 (Extra-urbano/Combinado/Urbano - conversão WLTP-NEDC)

CO2 (g/km):

121/120

PVP (€):

31 490/35 240 (unidade testada)

Gostámos

Espaço e mala, Qualidade geral, Competência dinâmica, Equilíbrio global, Conforto

A rever

Consumo em cidade e a ritmos mais dinâmicos, Alguns elementos e segurança opcionais

Nosso Rating
Rating Leitor
Para avaliar, registe-se ou inicie sessão
Qualidade geral
8.0
Interior
9.0
Segurança
7.0
Motor e prestações
7.0
Desempenho dinâmico
8.0
Consumos e emissões
6.0
Conforto
8.0
Equipamento
8.0
Garantias
6.0
Preço
7.0
Se tem pressa...

Versão da gama animada pelo motor de acesso, e dotada do nível de equipamento mais recheado, o novo Opel Grandland X mostrou-se uma proposta deveras equilibrada, que, sem brilhar especialmente em qualquer área, também não desliude em nehuma. Bem pelo contrário!…

7.4
Nosso Rating
Rating Leitor
You have rated this

Curiosamente, ou talvez não…, pertencem ao mundo dos SUV os dois primeiros modelos lançados pela Opel, e já assentes em tecnologia oriunda da PSA, após a marca alemã ter sido adquirida à GM pelo conglomerado francês. O mais recente é o seu SUV de topo, aqui avaliado na forma do Grandland X 1.2 Turbo Innovation, a versão animada pelo motor de acesso, mas dotada do nível de equipamento mais requintado – bem à medida do mercado português, onde o poder de compra é escasso, e o preço dos automóveis elevado, o que se traduz numa particular apetência por versões de acesso bem equipadas.

Tendo em conta partilharem a plataforma EMP2 do consórcio gaulês, assim como a oferta de motores, não faltará quem considere não ser o novel SUV germânico pouco mais do que a interpretação da Opel do bem sucedido Peugeot 3008. Só que essa será, seguramente, uma definição assaz redutora: concedendo que os dois modelos, se não “primos direitos”, acabam por ser “familiares” muito próximos, não será menos verdade que o Grandland X é senhor do seu próprio carácter, e merece ser analisado por esse prisma.

Visualmente, o novo Opel Grandland X aposta na discrição e na elegância, oferecendo um visual dinâmico e moderno, mas discreto

Visualmente, o novo Opel Grandland X aposta na discrição e na elegância, oferecendo um visual dinâmico e moderno, mas discreto

Dúvidas houvesse, bastará começar por atentar na sua aparência exterior. Aqui, é patente uma influência mais de acordo com a “escola” alemã do que com a francófona, com o modelo a apostar em linhas exteriores muito agradáveis, mais sóbrias do que arrojadas, que, sem deslumbrarem, são deveras equilibradas e discretas, conferindo ao modelo um estilo moderno e dinâmico, mas discreto e elegante, capaz, até, de o fazer parecer mais compacto do que aquilo que é na realidade – com o opcional tejadilho em preto (€450) a conferir um apelo adicional à carroçaria.

O interior é, de igual forma, tipicamente Opel. Dominado pelo preto, aposta, também, numa decoração igualmente sóbria e elegante, exibindo uma qualidade geral de nível superior para a classe, com a qualidade percebida a ser ainda mais elevada.

Ao mesmo tempo, a habitabilidade é generosa em todos os lugares, e mesmo se a altura, sobretudo atrás, não é brilhante, o espaço para pernas disponível no banco traseiro é digno de encómios, sendo este um dos domínios em que o Grandland X se sobrepõe ao seu homólogo da Peugeot – tanto mais que formato do banco e a ausência de túnel de transmissão facilitam deveras o transporte de três passageiros atrás. A capacidade da mala também é bastante ampla, beneficiando, ainda, de um fundo falso colocável em dois planos para incrementar a respectiva funcionalidade.

A qualidade de construção está em plano de destaque, e o espaço disponível no banco traseiro é dos melhores da classe

A qualidade de construção está em plano de destaque, e o espaço disponível no banco traseiro é dos melhores da classe

Quanto à posição de condução, e como se esperaria, é elevada, porém envolvente e muito correcta, beneficiando quem a ocupe das múltiplas regulações oferecidas pelo banco e pelo volante. Nota mais, ainda, para os bancos dianteiros bastante envolventes, e que, apesar de firmes, são muito confortáveis em tiradas mais longas, dispondo de extensão manual do assento para maior comodidade; e para a correcta ergonomia, ainda que a operação e o grafismo do sistema de infoentretenimento não consigam esconder a sua origem PSA…

Sob o capot do Opel Grandland X 1.2 Turbo Innovation está o bem conhecido motor a gasolina sobrealimentado, de três cilindros e 1,2 litros, já utilizado por diversos modelos da PSA, e que aqui é instalado na sua derivação de 130 cv, e com um generoso binário de 230 Nm a estar disponível logo a partir das 1750 Nm, combinado com uma caixa manual de seis velocidades. Primeira referência, e como já é apanágio desta unidade motriz, para os consumos muito comedidos a velocidades moderadas e estabilizadas, mas que o são menos em ambiente urbano, onde registar médias abaixo dos 8,0 l/100 km obriga a praticar uma condução pouco condicente com o denominado “mundo real”.

Por outro lado, e se, apesar do bom trabalho levado cabo em termos de isolamento do habitáculo, acústico e de vibrações, o propulsor está longe de ser inaudível, há que reconhecer que a sua sonoridade nem é de todo desagradável, para mais tratando-se de um tricilíndrico. Além de que oferece um funcionamento muito suave, e uma invejávcel capacidade de resposta logo desde baixos regimes, em especial para uma unidade com estas características.

O extremo conforto e uma assinalável competência marcam o desempenho dinâmico do maior dos SUV da Opel

O extremo conforto e uma assinalável competência marcam o desempenho dinâmico do maior dos SUV da Opel

A caixa é muito suave e precisa, mas não especialmente rápida, além de que algo longa em quinta e, sobretudo, sexta velocidade, nitidamente uma relação de prise, para poupar nos consumos. Ainda assim, em estrada aberta e auto-estrada, é com uma facilidade digna de registo que se conseguem manter ritmos de viagem deveras interessantes, sem que tal obrigue a um recurso excessivo à transmissão.

Sempre extremamente confortável, mesmo nos pisos mais exigentes, e beneficiando de uma direcção correctamente assistida e desmultiplicada, e de um sistema de travagem competente e com um bom feeling no pedal, o Grandland X 1.2 Turbo, não obstante os seus 188 mm de altura ao solo, pauta o seu desempenho dinâmico por um comportamento muito são, embora a suspensão seja um pouco mais macia do que o esperado num Opel. Contudo, como os movimentos da carroçaria são bem controlados, apesar de algum adornar em curva, este é mesmo um SUV para a família, e que deve ser conduzido em conformidade com essa sua vocação, mostrando-se, nessas circunstâncias, sempre muito previsível, seguro e fácil de utilizar.

É certo que os condutores mais aguerridos poderão não considerá-lo como o mais entusiasmante ou envolvente da classe, até porque as prestações são por demais satisfatórias para um modelo com quase 1400 kg, animado por um pequeno motor 1.2 de 130 cv – especialmente quando se faz bom uso da caixa para manter o três cilindros na sua faixa ideal de funcionamento e, assim, tirar pleno partido do seu potencial. Mas, mais uma vez aqui, a racionalidade teutónica parece ter imperado, e valores mais altos ter-se-ão levantado do que a eficácia pura numa condução nos limites, que, decerto, poucos dos clientes alvo do modelo iriam reconhecer, apreciar e, o que é mais, valorizar.

A capacidade de evolução do Grandland X no fora de estrada é, como esperado, limitada, mas os 188 mm de altura ao solo facilitam a incursão por outros pisos para além do asfalto

A capacidade de evolução do Grandland X no fora de estrada é, como esperado, limitada, mas os 188 mm de altura ao solo facilitam a incursão por outros pisos para além do asfalto

Deste modo, e sem se destacar particularmente em nenhuma área, o Grandland X 1.2 Turbo Innovation também não desilude em qualquer item de avaliação importante, bem pelo contrário, acabando por assumir-se como um SUV extremamente equilibrado e competente, em que a razão está acima de qualquer outro factor de escolha. A rever, porventura, a inclusão como opcionais de vários elementos destinados a incrementar a segurança, como o alerta de cansaço do condutor, a travagem autónoma de emergência com alerta de colisão dianteira e o assistente à manutenção na faixa de rodagem – é um facto que, todos juntos no designado Pack Safety, apenas obrigam ao dispêndio de não mais do que €500, mas também não seria despropositado que fossem incluídos de série, pelo menos no nível de equipamento de topo.

Quanto ao preço do novo Opel Grandland X 1.2 Turbo Innovation, ao custar em Portugal €31 490, acaba por estar alinhado com a versão equivalente do Peugeot 3008, mas sendo mais oneroso do que o praticado pelo seu outro “primo” francês, o Citroën C5 Aircross. Já face à versão 1.5 Turbo D, também com 130 cv, do Grandland X, e se o consumo for o único factor a ter em consideração neste particular, os €3000 que custa a menos são uma vantagem que pode ser determinante, por representarem um investimento que tenderá a demorar algum tempo a recuperar…

 

Airbag para condutor e passageiro (desligável)
Airbags laterais dianteiros
Airbags de cortina
Controlo electrónico de estabilidade
Cintos dianteiros com pré-tensores e limitadores de esforço
Fixações Isofix
Asssistente aos arranques em subida
Sistema de monitorização do ângulo morto
Sistema de leitura de sinais de trânsito
Travão de estacionamento eléctrico
Cruise control+limitador de velocidade
Ar condicionado automático bizona
Computador de bordo
Bancos parcialmente em pele
Banco do condutor regulável em altura
Banco traseiro rebatível 60/40
Tomadas de 12 Volt nos lugares traseiros+bagageira
Bagageira com piso duplo
Volante em pele multifunções regulável em altura+profundidade
Direcção com assistência eléctrica variável
Rádio com leitor mp3+ecrã táctil de 8″+6 altifalantes+entrada USB
Mãos-livres Bluetooth (telefone+streaming áudio)
Sistema de navegação
Vidros eléctricos FR/TR
Vidros traseiros escurecidos
Retrovisores exteriores eléctricos+aquecidos+rebatíveis electricamente
Retrovisor interior electrocromático
Sensores de luz+chuva
Sensores de estacionamento dianteiros+traseiros
Câmara de estacionamento traseira
Acesso+arranque sem chave
Portão traseiro de operação eléctrica com abertura e fecho "mãos-livres"
Luzes diurnas por LED
Assistente de máximos
Faróis de nevoeiro
Jantes de liga leve de 18″
Sistema de monitorização da pressão dos pneus
Barras de tejadilho
Pack Visibilidade (inclui: sensor de chuva+retrovisor interior electrocromático+assistente de máximos)
Pack versatilidade (inclui: bagageira com piso duplo; luz na bagageira; apoio central de braços traseiro)

Pintura Premium (€700)
Pack Safety (€500 – inclui: alerta de cansaço do condutor; travagem autónoma de emergência com alerta de colisão dianteira; assistente à manutenção na faixa de rodagem)
Faróis por LED AFL com assistente de máximos (€1200)
Tejadilho em preto (€450)
Tecto panorâmico (€700)
Pedaleira metálica (€90)
Roda suplente (€110)

Qual é a sua reação?
Excelente
50%
Adoro
50%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

4 × 3 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.