CompararComparando ...

Honda Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance

Artigo
Honda Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance

Visão geral
Marca:

Honda

Modelo:

Civic

Versão:

5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance

Ano lançamento:

2019

Segmento:

Familiares compactos

Nº Portas:

5

Tracção:

Dianteira

Motor:

1.0

Pot. máx. (cv/rpm):

159/5500

Vel. máx. (km/h):

203

0-100 km/h (s):

10,9

Consumos (l/100 km):

4,4/5,1/6,4 (Extra-urbano/Combinado/Urbano)

CO2 (g/km):

117

PVP (€):

€26 880

Gostámos

Comportamento dinâmico primoroso, Motor e prestações, Habitabilidade e mala, Equipamento de série

A rever

Consumo urbano, Qualidade de materiais, Visibilidade traseira

Nosso Rating
Rating Leitor
Para avaliar, registe-se ou inicie sessão
Qualidade geral
6.0
Interior
8.0
Segurança
9.0
Motor e prestações
8.0
Desempenho dinâmico
9.0
Consumos e emissões
7.0
Conforto
7.0
Equipamento
9.0
Garantias
8.0
Preço
7.0
Se tem pressa...

O Honda Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance ilustra as recentes melhorias que a marca japonesa operou no seu familiar compacto, sem, com isso, beliscar de forma alguma o conceito que presidiu à respectiva criação. O que significa que esta continua a ser uma das mais dotadas propostas da sua categoria, brilhante nos capítulos dinâmico e mecânico, com muito espaço para passageiros e bagagens e, agora, até com um reforço do equipamento de série, entre outros melhoramentos

7.8
Nosso Rating
Rating Leitor
You have rated this
Velocidade máxima anunciada (km/h) 203
Acelerações (s)
0-100 km/h 10,6
0-400 m 17,5
0-1000 m 31,5
Recuperações 60-100 km/h (s)
Em 3ª 7,7
Em 4ª 10,1
Em 5ª 11,3
Recuperações 80-120 km/h (s)
Em 4ª 8,4
Em 5ª 12,9
Em 5ª 14,0
Distância de travagem (m)
100-0 km/h 35,0
Consumos (l/100 km)
Estrada (80-100 km/h) 4,5
Auto-estrada (120-140 km/h) 5,3
Cidade 7,7
Média ponderada (*) 6,58
Autonomia média ponderada (km) 699
(60% cidade+20% estrada+20% AE)
Medidas interiores (mm)
Largura à frente 1460
Largura atrás 1410
Comprimento à frente 1080
Comprimento atrás 750
Altura à frente 920
Altura atrás 900

O Honda Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance presente nestas páginas combina o nível de equipamento intermédio com a motorização mais acessível da gama. E já, representa, também, a mais recente actualização sofrida pelo modelo, cerca de três anos que passaram sobre o seu lançamento – como é da praxe, internamente designada por MY2020.
As alterações foram simples, mas pertinentes. Visualmente, e sem desvirtuar a marcante estética original, foram operados ligeiros retoques estilísticos, destinados a modernizar a aparência exterior, sendo disso exemplo os pára-choques dianteiro e traseiro, a grelha frontal e deflector traseiro redesenhados. Ao mesmo tempo, não só as jantes de liga leve são de novo desenho, como as ópticas dianteiras por LED passam a integrar o equipamento de série de todas as versões, o mesmo sucedendo com a regulação eléctrica do apoio lombar dos bancos dianteiros, e com o piso da bagageira amovível.

´Por fim, mas não menos importante, o sistema de infoentretenimento recebe quer um novo ecrã, de reposta mais rápida, quer novos botões de atalho para as funções mais relevantes, por forma a tornar mais fácil a respectiva operação – o que se confirma em absoluto, obviando, assim, uma das críticas mais recorrentemente formuladas à décima geração do Civic.

Pelo exposto, nada que altere, radicalmente, o Civic, mas que não deixa de ser bem vindo, pelas vantagens que proporciona. O que também continua a marcar de forma indelével a décima geração do compacto nipónico são as linhas radicais da carroçaria, que lhe conferem uma imagem tão agressiva, dinâmica e desportiva quanto invulgar, e, decididamente, nada consensual. Gostos pessoais à parte, a traseira ainda mais extrema, dominada pelo óculo traseiro divido por dois deflectores, é que não deixa de interferir com a visibilidade traseira…

Ligeiramente retocada, a estética continua a ser um dos elementos mais marcantes do Civic. O formato da secção traseria também continua a não favorecer a visibilidade para trás

Ligeiramente retocada, a estética continua a ser um dos elementos mais marcantes do Civic. O formato da secção traseria também continua a não favorecer a visibilidade para trás

Já o interior, para além do acima exposto, nada de novo tem para apresentar. O que está longe de ser criticável, pois tal significa que a nova plataforma, com uma ampla distância entre eixos, conjugada com dimensões exteriores igualmente significativas, mantêm-se como o garante de uma habitabilidade referencial para a classe, em especial no que ao espaço traseiro diz respeito, em largura como em comprimento, permitindo que três adultos viagem com invulgar conforto e desafogo de movimentos no banco posterior. De semelhantes encómios é a bagageira, das mais volumosas do segmento, e onde volta a pontificar a invulgar chapeleira com recolhimento horizontal, da esquerda para a direita.

Pena é que esta actualização de meio de ciclo do Civic não tenha previsto a inclusão de materiais interiores mais nobres, continuando a apreciável qualidade geral a ser menos garantida por estes do que pelo rigor da montagem e pela perfeição dos acabamentos, já que os plásticos duros tendem a dominar, a não ser nos locais mais expostos e de mais frequente contacto com os passageiros. Em compensação, o posto de condução continua a ser excelente, merecendo aqui menção os bancos dianteiros capazes de oferecer, ao mesmo tempo, um apreciável apoio lateral e um elevado conforto; a curta alavanca de comando da caixa de velocidades; e a bem alinhada pedaleira em alumínio.

Uma das principais novidades do interior é o ecrã do sistema de infoentretenimento, agora dotado de botões de atalho que, indiscutivelmente, muito facilitam a respectiva utilização

Uma das principais novidades do interior é o ecrã do sistema de infoentretenimento, agora dotado de botões de atalho que, indiscutivelmente, muito facilitam a respectiva utilização

Mantendo-se como um dos mais evoluídos e poderosos três cilindros a gasolina do mercado, o motor 1.0 com distribuição variável, injecção directa e turbocompressor não podia, obviamente, deixar de ser um dos grandes atributos do Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance. Capaz de disponibilizar 129 cv/5500 rpm e 200 Nm/2250 rpm, garante uma resposta pronta e decidida em praticamente todos os regimes, embora seja nítido o seu “fôlego” adicional a partir da altura em que superar as 2250 rpm a que é atingido o binário máximo. Juntando-se a estes predicados uma bem escalonada caixa manual de seis velocidades, suave, rápida e muito precisa, tudo se conjuga para que esteja garantida uma condução fácil em cidade, muito agradável em estrada e, até, com um invejável dinamismo quando se pretendem impor ritmos mais intensos. Os bons valores de acelerações e recuperações obtidos nas nossas medições, a par de uma velocidade máxima superior a 200 km/h, são prova disso mesmo.

Quanto aos consumos, a velocidades minimamente estabilizadas, e cumprindo-se os limites legais, são bastante comedidos em estrada e auto-estrada, mas não tanto em cidade, onde se exige alguma moderação do pé direito para as médias ficarem abaixo dos 8,0 l/100 km. A boa notícia é que, mesmo quando se pretende tirar pleno partido da mecânica, os valores tendem a ficar aquém dos 10,0 l/100 km.

No capítulo dinâmico, também será bom saber que, mesmo quando desprovido do sistema de amortecimento pilotado, reservado às versões de topo, o Civic consegue oferecer um conforto de marcha de nível superior, sem que tal condicione a sua eficácia. Boa parte da explicação para tal reside na já mencionada plataforma, não só por contar com um sofisticado eixo traseiro multilink até nas versões de acesso, mas também por assegurar um peso reduzido, conjugado com uma elevada rigidez estrutural.

O Civic mantém intocada a sua competência dinâmica, o que significa que continua a ser uma das principais referência da classe em termos de comportamento, e também no que às presatções diz respeito, no caso da variante 1.0 a gasolina de 129 cv

O Civic mantém intocada a sua competência dinâmica, o que significa que continua a ser uma das principais referência da classe em termos de comportamento, e também no que às presatções diz respeito, no caso da variante 1.0 a gasolina de 129 cv

Trunfos que também têm consequências (muito) positivas para a eficácia do comportamento. Se há coisa que o Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance prova, é que, não obstante toda a solicitude e brilhantismo da sua unidade motriz, nesta versão, as capacidades do châssis continuar a ser bastante superiores à do motor. A direcção é extramente rápida, precisa e bem assistida; o sistema de travagem competente; a frente insere-se em curva com uma precisão e um rigor notáveis, gerindo a reaceleração sem que a subviragem surja de forma prematura – no que é fielmente acompanhada por uma traseira estável, mas que não se nega a ganhar outra vivacidade quando provocada nesse sentido, permitindo usufruir de um extra de agilidade que só não é mais substantivo devido à intervenção da electrónica, uma vez que o desligar do controlo de estabilidade, constitui, na prática, apenas à inibição do controlo de tracção.

Certo é que, neste segmento, e neste nível de preço, dificilmente de encontrará um automóvel tão competente, tão envolvente e tão emocionante no plano dinâmico quanto o Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo. Mesmo sendo capaz de percorrer grandes distância a velocidades de cruzeiro por demais interessantes, é nos traçados mais sinuosos, e nas curvas mais retorcidas, que vêm ao de cima os seus melhores argumentos, entre os quais não são de somenos o exemplar controlo dos movimentos da carroçaria, e as recções sempre neutras e bastante previsíveis.

Para concluir com um lugar comum, pode afirmar-se que, após a actualização sofrida para 2020, o Civic evoluiu na continuidade, mas sem deixar de ser o que era. Ou seja: um dos mais dotados familiares compactos do momento na generalidade dos parâmetros de avaliação, o exemplo a seguir no capítulo dinâmico, mas incontornavelmente marcado por uma estética, porventura, excessivamente ousada. Exemplo pleno disso mesmo, o Civic 5P 1.0 i-VTEC Turbo Elegance aqui avaliado, em que o preço a que é proposto não será, propriamente de arromba, embora alinhe com a principal concorrência e tenha associado um muito completo equipamento de série, em que seria injusto não destacar a larga panóplia de dispositivos destinados a aumentar a segurança dos ocupantes.

Motor
Tipo 3 cil. linha, transv., diant.
Cilindrada (cc) 988
Diâmetro x curso (mm) 73,0×78,7
Taxa de compressão 10,0:1
Distribuição 2 v.e.c./12 válvulas com distribuição variável sobre a admissão e escape
Potência máxima (cv/rpm) 129/5500
Binário máximo (Nm/rpm) 200/2250
Alimentação injecção directa
Sobrealimentação turbocompressor+intercooler
Dimensões exteriores
Comprimento/largura/altura (mm) 4518/1799/1434
Distância entre eixos (mm) 2697
Largura de vias fte/trás (mm) 1537/1565
Jantes – pneus 7 1/2Jx17″ – 235/45 (Michelin Primacy 3)
Pesos e capacidades
Peso (kg) 1281
Relação peso/potência (kg/cv) 9,93
Capacidade da mala/depósito (l) 478-1267/46
Transmissão
Tracção dianteira
Caixa de velocidades manual de 6+m.a.
Direcção
Tipo cremalheira, com assistência eléctrica variável
Diâmetro de viragem (m) 11,8
Travões
Dianteiros (ø mm) Discos ventilados (380)
Traseiros (ø mm) Discos maciços (380)
Suspensões
Dianteira MacPherson
Traseira Multilink
Barra estabilizadora frente/trás sim/sim
Garantias
Garantia geral 7 anos sem limite de km
Garantia de pintura 3 anos
Garantia anti-corrosão 10 anos
Intervalos entre manutenções 20 000 km ou 12 meses

Airbag para condutor e passageiro (desligável)
Airbags laterais dianteiros
Airbags de cortina
Encostos de cabeça dianteiros activos
Controlo electrónico de estabilidade
Assistente aos arranques em subida
Sistema de monitorização do ângulo morto
Travagem autónoma de emergência com alerta de colisão dianteira
Assistente à manutenção na faixa de rodagem com alerta de saída de faixa
Sistema de leitura de sinais de trânsito
Sistema atenuante de colisões+saída de estrada
Cintos dianteiros com pré-tensores e limitadores de esforço
Fixações Isofix
Travão de estacionamento eléctrico
Ar condicionado automático bizona
Computador de bordo
Cruise-control adaptativo+limitador de velocidade
Bancos do condutor com regulação em altura+apoio lombar (eléctrica)
Bancos dianteiros aquecidos
Banco rebatível 60/40
Pedaleira em alumínio
Volante em pele, regulável em altura+profundidade
Volante multifunções
Direcção com assistência eléctrica variável
Alarme
Rádio digital DAB com leitor de mp3+ecrã táctil de 7″+8 altifalantes+tomadas 2xUSB/HDMI
Mãos-livres Bluetooth (telemóvel+áudio)
Vidros eléctricos dianteiros+traseiros
Retrovisores exteriores eléctricos+aquecidos+rebatíveis electricamente
Retrovisor interior electrocromático
Ópticas dianteiras por LED com função de curva e assistente de máximos
Faróis de nevoeiro por LED
Câmara de estacionamento traseira
Sensores de estacionamento dianteiros+traseiros
Sensor de luz+chuva
Jantes de liga leve de 17″
Sistema de monitorização da pressão dos pneus

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

4 + 7 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.