CompararComparando ...

Distância de paragem: parte 3 – Distância de paragem

Artigo
Distância de paragem: parte 3 – Distância de paragem

Nos dois artigos precedentes redigidos para a Absolute Motors, foquei-me essencialmente nos conceitos de distância de reacção (parte 1), e de distância de travagem (parte 2) sendo que hoje concluirei com o conceito de distância de paragem (parte 3).

Como já foi referido, a distância de paragem (dp) é a distância percorrida pelo veículo durante o tempo de paragem, isto é, durante o tempo que decorre entre o preciso instante correspondente à posição do veículo no momento em que ocorreu a percepção de um determinado estímulo (ou acontecimento) por parte do seu condutor (t0), até ao instante correspondente à posição em que ocorre, em condições de segurança, a paragem do veículo (tp).

Sendo assim, a distância de paragem (dp) é composta pela soma da distância de reacção (dr) mais a distância de travagem (dt).

Por conseguinte, todos os factores referidos nos dois artigos anteriores que afectam negativamente a distância de reacção e a distância de travagem estão presentes na distância de paragem, nomeadamente:

  1. A prática de velocidades excessivas, a condução sob o efeito do álcool, a distracção, particularmente, o uso do telemóvel.
  2. As características do veículo, o estado da via, a carga transportada, as condições meteorológicas e ambientais, e as condições de tráfego.

Neste contexto, é sempre de realçar o conceito de velocidade excessiva: como condutores, temos de estar permanentemente cientes de que devemos regular a velocidade do nosso veículo em função das suas características, estado da via, carga transportada, condições meteorológicas ou ambientais, intensidade do trânsito e de quaisquer outras circunstâncias que nos permitam, em condições de segurança, parar o veículo no espaço livre e visível à sua frente.

Com o exemplo referido seguidamente, vamos concretizar o conceito de velocidade excessiva e o seu efeito na distância de paragem:

Suponhamos que um veículo ligeiro de passageiros e em estado de conservação normal, circula numa rua (plana e recta, com cerca de 150 m com velocidade limitada a 50 km/h) de uma cidade em que há uma passagem de peões devidamente sinalizada.

O dia está de aguaceiros e o pavimento com irregularidades e desgaste evidente, está molhado devido às primeiras chuvas.

O veículo ligeiro está a 30 m da passagem de peões, quando uma pessoa idosa inicia o atravessamento da estrada na referida passagem.

O condutor, de meia-idade, saudável e atento, tem de parar o seu veículo num espaço de 30 metros.

Vamos analisar o que sucede quando o veículo circula com as velocidades seguintes:

Os dados são os seguintes:

  • Tempo de reacção do condutor: tr = 1 s
  • Coeficiente de atrito de deslizamento: μ = 0,4
  • Distância de paragem disponível: dpd = 30 m

Será que o condutor seria capaz de parar o seu veículo na distância que tem disponível para parar e evitar o atropelamento do peão?

O quadro apresenta os resultados e as conclusões.

vi (km/h) dr (m) dt (m) dpr (m) dpd (m) Conclusão
30 8,3 8,9 17,2 30,0
40 11,1 15,7 26,9 30,0
50 13,9 24,6 38,5 30,0 Atropela o peão

No presente caso, muito embora o veículo circulasse dentro do limite de velocidade (50 km/h), circularia, contudo, com velocidade excessiva.

No presente exemplo, o pavimento apresentava irregularidades, desgaste, sujidade e estava molhado devido às primeiras chuvas. Como sabemos, estas condições têm como consequência um aumento da distância de travagem, principalmente, devido à significativa diminuição do coeficiente de atrito entre os pneus e o pavimento.

Então, de forma qualitativa, podemos inferir que o condutor não adequou a velocidade do seu veículo às condições meteorológicas e ao estado da via.

Devemos estar cientes que circulamos com velocidade excessiva sempre que:

  • Circulamos acima dos limites de velocidade legalmente estabelecidos na medida em que estes são justificados pelas condições nominais de funcionamento da infra-estrutura;
  • Circulamos com uma velocidade inapropriada para as condições do tráfego, da via e ambientais.

Rui Manuel da Silva Oliveira
ANSR

Nota: por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Qual é a sua reação?
Excelente
0%
Adoro
0%
Gosto
0%
Razoavel
0%
Não gosto
0%
Sobre o autor
António de Sousa Pereira
Absolute Motors é um projecto de informação essencialmente dedicado à área dos motores, com particular foco nos sectores dos automóveis e das motos, mas sem prejuízo de cobrir qualquer outra área de interesse manifesto para os seus leitores.
Comentários
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.